sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Tipos de Ficheiros

.ABK Corel Draw AutoBackup
.ACL Corel Draw 6 keyboard accelerator
.ACM Windows Audio Compression Manager dynamic link library, ADPCM-based audio format used in games by Interplay
.ACP Microsoft Office Assistant Preview file
.ACT Microsoft Office Assistant Actor file
.ACV OS/2 drivers that compress and decompress audio data
.AD After Dark screensaver
.ADB Appointment database used by HP 100LX organizer
.ADD OS/2 adapter drivers used in the boot process
.ADM After Dark MultiModule screensaver
.ADP Used by FaxWorks to do setup for fax modem interaction
.ADR After Dark Randomizer screensaver
.AFM Adobe font metrics
.AF2 ABC Flowchart file
.AF3 ABC Flowchart file
.AI Adobe Illustrator drawing
.AIF Apple Mac AIFF sound
.ALB JASC Image Commander album
.ALL Arts & Letters Library
.AMS Velvert Studio music module (MOD) file
.ANC Canon Computer Pattern Maker file that is a selectable list of pattern colors
.ANI Animated Cursor
.ANS ANSI text
.API Application Program Interface file; used by Adobe Acrobat
.APR Lotus Approach 97 file
.APS Microsoft Visual C++ file
.ARC LH ARC (old version) compressed archive
.ARJ Robert Jung ARJ compressed archive
.ART Xara Studio drawing
.ART Canon Crayola art file
.ASA Microsoft Visual InterDev file
.ASC ASCII text
.ASD WinWord AutoSave
.ASM Assembler language source file
.ASP Active Server Page (an HTML file containing a Microsoft server-processed script)
.ASP Procomm Plus setup and connection script
.AST Claris Works "assistant" file
.ATT AT&T Group 4 bitmap
.AVI Microsoft Video for Windows movie
.AWD FaxView document
.BAK Backup file
.BAS BASIC code
.BAT Batch file
.BFC Windows 95 Briefcase document
.BG Backgammon for Windows game
.BI Binary file
.BIG Eletronic Arts Graphics File
.BIF GroupWise initialization file
.BIN Binary file
.BK Sometimes used to denote backup versions
.BK$ Also sometimes used to denote backup versions
.BKS An IBM BookManager Read bookshelf
.BLEND extensão com 4 digitos do software Blender3D.
.BMK An A bookmark file
.BMP Windows or OS/2 bitmap
.BM1 Apogee BioMenace data file
.BRX A file for browsing an index of multimedia options
.BSP Quake map
.BS1 Apogee Blake Stone data file
.BTM Batch file used by Norton Utilities
.B4 Helix Nuts and Bolts file
.C C code
.CAB Microsoft cabinet file (program files compressed for software distribution)
.CAL CALS Compressed Bitmap
.CAL Calendar schedule data
.CAS Comma-delimited ASCII file
.CAT IntelliCharge categorization file used by Quicken
.CB Microsoft clean boot file
.CCB Visual Basic Animated Button configuration
.CCF Multimedia Viewer configuration file used in OS/2
.CCH Corel Chart
.CCM Lotus CC:Mail "box" (for example, INBOX.CCM)
.CDA CD Audio Track
.CDF Microsoft Channel Definition Format file
.CDI Phillips Compact Disk Interactive format
.CDR Corel Draw drawing
.CDT Corel Draw template
.CDX Corel Draw compressed drawing
.CEL CIMFast Event Language file
.CFB Comptons Multimedia file
.CFG Configuration file
.CGI Common Gateway Interface script file
.CGM Computer Graphics Metafile
.CH OS/2 configuration file
.CHK File fragments saved by Windows Disk Defragmenter or ScanDisk
.CHP Ventura Publisher chapter
.CIL Clip Gallery download package
.CIM Sim City 200 file
.CIN OS/2 change control file that tracks changes to an INI file
.CK1 iD/Apogee Commander Keen 1 data file
.CK2 iD/Apogee Commander Keen 2 data file
.CK3 iD/Apogee Commander Keen 3 data file
.CK4 iD/Apogee Commander Keen 4 data file
.CK5 iD/Apogee Commander Keen 5 data file
.CK6 iD/Apogee Commander Keen 6 data file
.CLASS Java class
.CLP Windows Clipboard file
.CLS Visual Basic Class Module
.CMD Command file for Windows NT (similar to a DOS .BAT file)
.CMD DOS CP/M command file
.CMD dBase-II program file
.CMF Corel Metafile
.CMP JPEG Bitmap
.CMP Address document
.CMV Corel Move animation
.CMX Corel Presentation Exchange image
.CNF Configuration file used by Telnet, Windows, and other applications
.CNM Windows application menu options and setup file
.CNQ Compuworks Design Shop file
.CNT Windows (or other) system content files for the help index and other purposes
.COB trueSpace2 object
.COD Microsoft C compiler output as displayable assembler with original C as comments
.COM Command file (program)
.CPD Fax Cover document
.CPE Fax Cover document
.CPI Microsoft MS-DOS code page information file
.CPL Control Panel extension
.CPL Corel colour palette
.CPP C++ code
.CPR Corel Presents Presentation
.CPT Corel Photo-Paint image
.CPX Corel Presentation Exchange Compressed drawing
.CRD Cardfile file
.CRP Corel Presents Run-Time Presentation
.CRT Certificate file
.CSC Corel Script
.CSP PC Emcee On-Screen image
.CSV Comma-separated values file
.CT Scitex CT Bitmap
.CTL Used in general to mean a file containing control information.
.CUE Microsoft Cue Cards data
.CUR Windows Cursor
.CUT Dr Halo bitmap
.CV Corel Versions archive
.CV Microsoft CodeView information screen
.CWK Claris Works data file
.CWS Claris Works template
.CXX C++ source code file
.DAT Data file
.DAT WordPerfect Merge Data
.DBF Aston-Tate dBASE database
.DBX DataBeam image
.DCR Shockwave file
.DCS Desktop Color Separation file
.DCX Fax image (based on PCX)
.DDS DDS Photoshop Games Images
.DDF BTRIEVE database
.DEF SmartWare II data file
.DEF C++ Definition
.DER Certificate file
.DIB Device-Independent Bitmap
.DIC Dictionary
.DIF Data Interchange Format spreadsheet
.DIR Macromedia Director file
.DIZ Description file
.DLG C++ Dialogue Script
.DLL Dynamic-Link Library
.DMF X-Trakker music module (MOD) file
.DOC FrameMaker or FrameBuilder document
.DOC WordStar document
.DOC WordPerfect document
.DOC Microsoft Word document
.DOT Microsoft Word document Template
.DPP DrawPlus Drawing
.DPR Borland Delphi project header file
.DRV Driver
.DRW Micrografx Designer/Draw
.DSG DooM saved game
.DSM Dynamic Studio music module (MOD) file
.DSP Microsoft Developer Studio project
.DSO Topogrph
.DSQ Corel QUERY file
.DSW Microsoft Developer Studio workspace
.DWG AutoCAD drawing eXchange format
.DWT AutCAD template
.DXF AutoDesk Drawing Interchange format
.EMF Enhanced Windows Metafile
.ENC Encore file
.EPS Encapsulated PostScript image
.ER1 ERWin file
.ERX ERWin file
.EVY Envoy document
.EWL Microsoft Encarta document
.EXE Executable file (program)
.F FORTRAN file
.F77 FORTRAN file
.F90 FORTRAN file
.FAR Farandole Composer music module (MOD) file
.FAV Microsoft Outlook navigation bar
.FAX FAX Type image
.FH3 Aldus Freehand 3 drawing
.FIF Fractal image file
.FITS CCD camera image
.FLC AutoDesk FLIC animation
.FLI AutoDesk FLIC animation
.FLT Corel filter
.FLT StarTrekker music module (MOD) file
.FLV Adobe Flash Video
.FMB Oracle binary source code for form, version 4.0 e mais recentes
.FMT Oracle text format of form, version 4.0 e mais recentes
.FMT Microsoft Schedule+ print file
.FMX Oracle executable form, version 4.0 e mais recentes
.FOG Fontographer font
.FON fonte bitmap
.FOR FORTRAN file
.FOT Font-related file
.FP FileMaker Pro file
.FP1 Flying Pigs for Windows data file
.FP3 FileMaker Pro file
.FPX FlashPix bitmap
.FRM Form
.FRM FrameMaker or FrameBuilder document
.FRM Oracle executable form version 3.0 and earlier
.FRM Visual Basic form
.FRM WordPerfect Merge form
.FRX Visual Basic form stash file
.GAL Corel Multimedia Manager album
.GCP Ground Control Point file used in image processing of remote sensing data .
.GED Graphic Environment Document (drawing)
.GEM GEM metafile
.GEN Ventura-Generated text file
.GFC Patton&Patton Flowcharting 4 flowchart file
.GFI Genigraphics Graphics Link presentation
.GFX Genigraphics Graphics Link presentation
.GID Windows 95 global index file (containing help status)
.GIF CompuServe bitmap
.GIM Genigraphics Graphics Link presentation
.GIX Genigraphics Graphics Link presentation
.GNA Genigraphics Graphics Link presentation
.GNX Genigraphics Graphics Link presentation
.GRA Microsoft Graph
.GRD Grid file, used in image processing of remote sensing data often to form map projections.
.GRP Program Manager Group
.GTK Graoumftracker (old) music module (MOD) file
.GT2 Graoumftracker (new) music module (MOD) file
.GWX Genigraphics Graphics Link presentation
.GWZ Genigraphics Graphics Link presentation
.GZ Unix Gzip compressed file
.H C program header
.HED HighEdit document
.HEL Microsoft Hellbender saved game
.HEX Macintosh BinHex 2.0 file
.HGL HP Graphics Language drawing
.HLP Help file
.HOG Lucas Arts Dark Forces WAD file
.HPJ Visual Basic Help Project
.HPP C++ program header
.HQX Macintosh BinHex 4.0 file
.HST History file
.HT HyperTerminal
.HTM Hypertext document
.HTML Hypertext document
.HTX Extended HTML template
.ICA Citrix file
.ICB Targa bitmap
.ICM Image Color Matching profile file
.ICO Windows Icon
.IDD MIDI Instrument Definition
.IDQ Internet Data Query file
.IFF Amiga ILBM
.IGF Inset Systems metafile
.IIF QuickBooks for Windows interchange file
.IMA WinImage file
.IMG GEM image
.INC Assembler language or Active Server include file
.INDD Adobe InDesign Document
.INF Information file
.INI Initialization file
.INP Oracle source code for form, version 3.0 and earlier
.INS InstallShield install script
.INS X-Internet sign-up file
.ISO Lists the files on a CD-ROM; based on the ISO 9660 CD-ROM file system standard
.ISP X-Internet sign-up file
.ISU InstallShield uninstall script
.IT Impulse Tracker music module (MOD) file
.IW Idlewild screensaver
.JAR Java ARchive file (a compressed file for applets and related files)
.JAVA Java source code
.JBF Paint Shop Pro image browser file
.JFF imagem bitmap
.JIF imagem bitmap
.JMP SAS JMPDiscovery chart-to-statistics file
.JN1 Epic MegaGames Jill of the Jungle data file
.JPEG imagem bitmap
.JPG imagem bitmap
.JS JavaScript source code
.JTF imagem bitmap
.KDC Kodak Photo-Enhancer
.KFX KoFax Group 4 image
.KYE Kye game data
.KML (extensão para arquivos XML do GoogleEarth.)
.KMZ (extensão para arquivos compactados do GoogleEarth.)
.LBM Deluxe Paint bitmap
.LDB Microsoft Access lock file
.LEG Legacy document
.LHA Alternate file suffix for LZH
.LIB Library
.LIS Output file produced by a Structured Query Reporting (SQR) program
.LOG Log file
.LPD Helix Nuts and Bolts file
.LRC Extensão para letras de música em sincronia com o arquivo MP3 da mesma música (usado em karaokê e MP3 players)
.LRC Intel Video Phone file
.LST List file
.LWO Lightwave Object file
.LWP Lotus Wordpro 96/97 file
.LZH LH ARC compressed archive
.LZS Skyroads data file
.M3D Corel Motion 3D animation
.MAC MacPaint image
.MAD Microsoft Access module
.MAF Microsoft Access Form
.MAK Visual Basic or MS Visual C++ Project
.MAM Microsoft Access Macro
.MAP Map file
.MAP Duke Nukem 3D WAD game file
.MAQ Microsoft Access Query
.MAR Microsoft Access Report
.MAS Lotus Freelance Graphics Smartmaster file
.MAT Microsoft Access Table
.MAX Paperport file
.MAX Extensão nativa do 3D Studio Max.
.MAZ Hover maze data
.MB1 Apogee Monster Bash data file
.MCC Dialer10 calling card
.MCS MathCAD image
.MCW Microsoft Word for Macintosh document
.MDA Microsoft Access add-in
.MDB Microsoft Access database
.MDE Microsoft Access MDE file
.MDL Digital Tracker music module (MOD) file
.MDL Quake model file
.MDN Microsoft Access blank database template
.MDW Microsoft Access Workgroup
.MDZ Microsoft Access wizard template
.MED Music Editor, OctaMED music module (MOD) file
.MER Format for interchanging spreadsheet/database data; recognized by Filemaker, Excel, and others
.MET Presentation Manager metafile
.MHTML (.mht, .mhtml) - Arquivo HTML, que armazena os dados de páginas web (texto, imagens, etc.) num só arquivo.
.MI Miscellaneous
.MIC Microsoft Image Composer file
.MID MIDI music
.MKA Áudio comprimido no formato Matroska
.MKV Vídeo comprimido no formato Matroska
.MMF Microsoft Mail File
.MMM Microsoft Multimedia Movie
.MMM fonte PostScript Type 1 (Multiple Master)
.MOD FastTracker, StarTrekker, Noise Tracker (etc.) music module file
.MOD Microsoft Multiplan spreadsheet
.MOV QuickTime for Windows movie
.MPE MPEG animation
.MPEG MPEG animation
.MPG MPEG animation
.MPP Microsoft Project file
.MPP CAD drawing file format
.MP3 MPEG Audio Layer 3 (AC3) file
.MSG Microsoft Mail message
.MSN Microsoft Network document
.MSP Microsoft Paint bitmap
.MTM MultiTracker music module (MOD) file
.MUS Music
.MVB Microsoft Multimedia Viewer file
.MWP Lotus Wordpro 97 Smartmaster file
.NAP NAP Metafile
.NCB Microsoft Developer Studio file
.NSF Lotus Notes database
.NST Noise Tracker music module (MOD) file
.NTF Lotus Notes database template
.NRG Nero Images
.OBD Microsoft Office binder template
.OBD Microsoft Office Binder
.OBJ Object file
.OBZ Microsoft Office Binder Wizard
.OCX Microsoft Object Linking and Embedding custom control
.ODF OpenDocument Format
.OFN Microsoft Office FileNew file
.OFT Microsoft Outlook template
.OKT Oktalyzer music module (MOD) file
.OLB OLE Object Library
.OLE OLE object
.OPT Microsoft Developer Studio file
.ORG Lotus Organiser file
.OR2 Lotus Organiser 2 file
.OR3 Lotus Organiser 97 file
.OTF fonte OpenType
.P10 Tektronix Plot 10 drawing
.PAB Microsoft Personal Address Book
.PAK Quake WAD file
.PAL Windows colour palette
.PAT Corel Draw pattern
.PBK Microsoft Phonebook
.PBM Portable Bitmap
.PCD Kodak Photo-CD image
.PCL HP Laserjet bitmap
.PCS PICS animation
.PCT Macintosh PICT drawing
.PCX ZSoft PC Paintbrush bitmap
.PDF Adobe Acrobat Portable Document Format
.PDF Netware Printer Definition File
.PDF Package Definition File from Microsoft Systems Management Server
.PDQ Patton&Patton Flowcharting PDQ Lite file
.PFA fonte PostScript Type 1 (ASCII)
.PFB fonte PostScript Type 1 (binary)
.PFC PF Component
.PFM fonte PostScript Type 1 (Printer Font Metrics)
.PGL HP Plotter drawing
.PGM Portable Graymap (bitmap)
.PIC PC Paint bitmap
.PIC Lotus picture
.PIC Macintosh PICT drawing
.PIF Program Information File
.PIF IBM PIF drawing
.PIG Lucas Arts Dark Forces WAD file
.PIN Epic Pinball data file
.PIN Epic Pinball data file
.PIX Inset Systems bitmap
.PJ MKS Source Integrity file
.PKG Microsoft Developer Studio application extension (similar to a DLL file)
.PL Perl program
.PLT HPGL Plotter drawing
.PLT AutoCAD Plot drawing
.PM5 Pagemaker 5.0 file
.PM6 Pagemaker 6.0 file
.P65 Pagemaker 6.5 file
.PNG Portable Network Graphics bitmap
.PNG Paint Shop Pro Browser catalogue
.PNT MacPaint graphic file
.POT Microsoft PowerPoint Template
.PP4 Picture Publisher 4 bitmap
.PPA Microsoft PowerPoint Add-in
.PPM Portable Pixelmap bitmap
.PPP PagePlus Publication
.PPS Microsoft PowerPoint slide show
.PPT Microsoft PowerPoint presentation
.PRE Lotus Freelance presentation
.PRF Windows system file
.PRN Print Table (space delimited text)
.PRS Harvard Graphics for Windows presentation
.PRZ Lotus Freelance Graphics 97 file
.PS Postscript Interpreted drawing
.PSD Adobe Photoshop bitmap
.PST Microsoft Outlook Personal Folder File
.PTM Polytracker music module (MOD) file
.PUB Ventura Publisher publication
.PUB Microsoft Publisher document
.PWD Microsoft Pocket Word document
.PWZ Microsoft PowerPoint Wizard
.PXL Microsoft Pocket Excel spreadsheet
.PY Python File
.PYW Python File Without Console
.QAD PF QuickArt Document
.QBW QuickBooks for Windows file
.QDT Quick Books data file from the Quicken UK Accountancy/Tax/Invoice program
.QLB Quick Library
.QRY Microsoft Query
.QT QuickTime Movie
.QTM QuickTime Movie
.QXD Quark XPress file
.R Pegasus Mail resource file
.RA Real Audio sound
.RAM Real Audio sound
.RAR WinRar
.RAS Sun Raster Images bitmap
.RAW Raw File Format (bitmap)
.RC Microsoft Visual C++ Resource Script
.REC Recorder macro
.REG Registration file
.RES Microsoft Visual C++ Resource
.RFT RFT-DCA
.RLE Run-Length Encoded bitmap
.RM Real Audio video file
.RMI MIDI music
.ROV Rescue Rover data file
.RPT Microsoft Visual Basic Crystal Reports file
.RTF Rich Text Format document
.RTM Real Tracker music module (MOD) file
.SAM Ami Professional document
.SAV Saved game file
.SCC Microsoft Source Safe file
.SCD Matrix/Imapro SCODL slide image
.SCD Microsoft Schedule+ 7
.SCH Microsoft Schedule+ 1
.SCN trueSpace2 scene
.SCP Dial-Up Networking Script
.SCR Windows screensaver
.SCR Fax image
.SCT Scitex CT bitmap
.SC2 Microsoft Schedule+ 7
.SDL SmartDraw library
.SDR SmartDraw drawing
.SDT SmartDraw template
.SEA Self-expanding archive (used by Stuffit for Mac files and possibly e outros)
.SEP Tagged Image File Format (TIFF) bitmap
.SHB Corel Show presentation
.SHB Document shortcut file
.SHG Hotspot bitmap
.SHS Shell scrap file
.SHW Corel Show presentation
.SKP extensão de arquivo 3D do SketchUp.
.SIT Stuffit archive of Mac files
.SLK Symbolic Link (SYLK) spreadsheet
.SND NeXT sound
.SND Mac Sound Resource
.SPP PhotoPlus Pictures
.SQC Structured Query Language (SQR) common code file
.SQR Structured Query Language (SQR) program file
.STM Scream Tracker music module (MOD) file
.STY Ventura Publisher style sheet
.SVX Amiga 8SVX sound
.SWF Shockwave Flash Object
.SYS System file
.S3M Scream Tracker 3 music module (MOD) file
.TAR Tape Archive
.TAZ Unix Gzip/Tape Archive
.TEX Texture file
.TGA Targa bitmap
.TGZ Unix Gzip/Tape Archive
.THEME Windows 95 Desktop Theme
.THN Graphics Workshop for Windows thumbnail
.TIF Tag Image File Format (TIFF) bitmap
.TIFF Tag Image File Format (TIFF) bitmap
.TIG Tiger file, used by US government to distribute maps
.TLB OLE Type Library
.TMP Windows temporary file
.TRM Terminal file
.TRN MKS Source Integrity project usage log
.TTF fonte TrueType
.TWF TabWorks file
.TWW Tagwrite Template
.TX8 MS-DOS Text
.TXT Text
.T2T Sonata CAD modelling software file
.UDF Windows NT Uniqueness Database File
.ULT Ultratracker music module (MOD) file
.URL Internet shortcut
.USE MKS Source Integrity file
.VBP Visual Basic Project
.VBW Microsoft Visual Basic workspace
.VBX Visual Basic custom control
.VCF Vevi Configuration File; defines objects for use with Sense8's WorldToolKit
.VDA Targa bitmap
.VI Virtual Instrument file from National Instruments LABView product
.VLB Corel Ventura Library
.VOC Creative Labs Sound Blaster sound
.VP Ventura Publisher publication
.VSD Visio drawing (flow chart or schematic)
.VST Targa bitmap
.VSW Visio Workspace file
.VXD Microsoft Windows virtual device driver
.WAD Large file for Doom game containing video, player level, and other information
.WAV Windows Waveform sound
.WB1 QuattroPro for Windows spreadsheet
.WB2 QuattroPro for Windows spreadsheet
.WBK Microsoft Word Backup
.WBL Argo WebLoad II upload file
.WCM WordPerfect Macro
.WDB Microsoft Works database
.WEB CorelXara Web document
.WGP Wild Board Games data file
.WID Ventura width table
.WIL WinImage file
.WIZ Microsoft Word Wizard
.WK1 Lotus 123 versions 1 & 2 spreadsheet
.WK3 Lotus 123 version 3 spreadsheet
.WK4 Lotus 123 version 4 spreadsheet
.WKS Lotus 123 Worksheet spreadsheet
.WKS Microsoft Works document
.WLF Argo WebLoad I upload file
.WLL Microsoft Word Add-In
.WMF Windows Metafile
.WOW Grave Composer music module (MOD) file
.WP WordPerfect document
.WPW Novel PerfectWorks document
.WP4 WordPerfect 4 document
.WP5 WordPerfect 5 document
.WP6 WordPerfect 6 document
.WPD WordPerfect Demo
.WPD WordPerfect Document
.WPG WordPerfect Graphic
.WPS Microsoft Works document
.WPT WordPerfect Template
.WQ1 QuattroPro/DOS spreadsheet
.WQ2 QuattroPro/DOS version 5 spreadsheet
.WRI Write document
.WRL modelo para realidade virtual (VR)
.WS1 WordStar for Windows 1 document
.WS2 WordStar for Windows 2 document
.WS3 WordStar for Windows 3 document
.WS4 WordStar for Windows 4 document
.WS5 WordStar for Windows 5 document
.WS6 WordStar for Windows 6 document
.WS7 WordStar for Windows 7 document
.WSD WordStar 2000 document
.WVL Wavelet Compressed Bitmap
.XAR Corel Xara drawing
.XLA Microsoft Excel add-in
.XLB Microsoft Excel toolbar
.XLC Microsoft Excel chart
.XLD Microsoft Excel dialogue
.XLK Microsoft Excel backup
.XLM Microsoft Excel macro
.XLS Microsoft Excel worksheet
.XLT Microsoft Excel template
.XLV Microsoft Excel VBA module
.XLW Microsoft Excel workbook / workspace
.XM FastTracker 2, Digital Tracker music module (MOD) file
.XR1 Epic MegaGames Xargon data file
.XTP XTree data file
.XY3 XYWrite III document
.XY4 XYWrite IV document
.XYP XYWrite III Plus document
.XYW XYWrite for Windows 4.0 document
.YAL Arts & Letters clipart library
.YBK Microsoft Encarta Yearbook
.Z Unix Gzip
.ZIP Zip file
.ZOO An early compressed file format


Exemplos de ficheiros usados em fotografia:


JPEG 2000 é um padrão de compressão de imagens de alta definição. Criado em 1999, este tipo de compressão utiliza métodos de lógica difusa para criar os dados de origem (que são os dados em que as imagens provêm e não são descartados). Pode compactar até 90% do arquivo original sem perder a qualidade de imagem, pois os pixels não são gerados aleatoriamente na tela, e sim com um cálculo geométrico em que as cores primárias e o RGB ficam paralelos ao eixo central do arquivo.


Windows Bitmap (BMP) ou Device Independent Bitmap (DIB) é um formato de gráficos por mapa de bits (composto por pixeis) usado pelos gráficos de subsistema (GDI) do Microsoft Windows, e é usada geralmente como um formato de gráficos nessa plataforma.


GIF (Graphics Interchange Format, que se pode traduzir como "formato para intercâmbio de gráficos") é um formato de imagem de mapa de bits muito usado na world wide web, quer para imagens fixas, quer para animações.

O formato foi introduzido em 1987 pela CompuServe a fim de fornecer um formato de imagem a cores para as suas áreas de descarga de ficheiros, em substituição do formato anterior, RLE, que era apenas a preto e branco. O GIF tornou-se popular porque utilizava compressão de dados LZW, mais eficiente que o run-length encoding usado por formatos como o PCX e o MacPaint, o que permitia que imagens relativamente grandes fossem baixadas num tempo razoável, mesmo com modems muito lentos.
A opção de intercalamento (interlacing), que armazena as linhas da imagem fora de ordem de tal modo que permitia que uma imagem parcialmente descarregada fosse reconhecível até certo ponto, também contribuiu para a popularidade do formato GIF, visto que o utilizador podia parar o descarregamento da imagem, se ela não fosse o que pretendia.

Este formato de arquivo actualmente é amplamente utilizada na web por causa do seu tamanho compacto. No entanto, este formato possui uma paleta limitada de cores (256 no máximo), impedindo o seu uso prático na compactação de fotografias. Por causa desta limitação o formato GIF é utilizado para armazenar ícones, pequenas animações ou imagens com áreas extensas de cores chapadas.
Um GIF animado é o termo dado as animações formadas por várias imagens GIF compactadas numa só. É utilizado para compactar objectos em jogos electrónicos instantâneos e para enfeitar sítios na Internet.


PNG (Portable Network Graphics) é um formato de dados utilizado para imagens, que surgiu em 1996 como substituto para o formato GIF, devido ao facto de este último incluir algoritmos patenteados.
Esse formato livre é recomendado pela W3C, suporta canal alfa, não tem limitação da profundidade de cores, alta compressão (regulável), além de outras interessantes caracteristicas.

Além disso o formato PNG permite comprimir as imagens sem perda de qualidade, ao contrário do que acontece com outros formatos, como o JPG. Por isso é um formato válido para imagens que precisam manter 100% da qualidade para reuso. Pode ser usado na maioria dos programas de edição de imagens como o Macromedia Fireworks (proprietário) e o GIMP (livre).


O TIFF (acrónimo para Tagged Image File Format) é um formato de arquivo raster para imagens digitais criado pela Aldus para uso no processo de impressão PostScript, que agora é controlado pela Adobe. Transformou-se no formato padrão dos arquivos gráficos (32-bits) com elevada definição de cores.
É usado extensamente em aplicações de manipulação de imagem tais como Photoshop, DTP e scanners e também muito utilizado para o intercâmbio de imagens entre as diversas plataformas (hardware : PC, Macintosh, software : Linux, Windows).


Histórico

Na década de 80 ficou aparente que a imagem estava tendendo para a tecnologia digital. Também era claro que se padrões internacionais não fossem desenvolvidos para a imagem digital, haveria uma "Torre de Babel" de diferentes padrões que porventura se proliferariam; assim, em 1988 ISO esquematizou o MPEG (Moving Picture Experts Group), para desenvolver padrões para o vídeo digital. Foram definidos três itens a serem desenvolvidos:
Video e áudio associados a uma taxa de 1.5 Mbps (mais tarde chamado de MPEG-1);
Imagens em movimento e áudio associados a uma taxa de 10 Mbps (mais tarde chamado de MPEG-2);
Imagens em movimento e áudio associados a uma taxa de 60 Mbps (mais tarde reduzido para 40 Mbps e então cancelado).


Exemplos de ficheiros usados em vídeo:


MPEG 1 era orientado como imagem digital armazenada em Mídia de armazenagem digital (DSM - Digital Storage Media). MPEG-2 foi orientado como broadcast. MPEG-3 para televisão de alta-definição (HDTV). Enquanto os padrões se desenvolviam ficou claro que as técnicas empregadas nos padrões poderiam ser usados em qualquer bitrate (quantidade de bits necessários para codificar um segundo de informação, seja esta vídeo, áudio ou ambos). Assim o título dos it que incluiam a taxa de transmissão, foram alterados para MPEG-1 e MPEG-2 e ficou claro que MPEG-2 poderia satisfazer as necessidades do HDTV, assim, o MPEG-3 foi descartado.


O papel do MPEG Systems

O vídeo, áudio, ou qualquer outra informação para um serviço codificado em MPEG deve ser multiplexado num único fluxo de bits. Essa é a principal tarefa do MPEG-2 Sistems. Quando o multiplexador está recebendo um fluxo de bits de vídeo e áudio comprimidos, como eles devem ser multiplexados para que o decodificador possa obtê-los sincronizados? Uma outra tarefa do Sistema é fornecer meios para tal sincronização.

Apesar de que um fluxo MPEG representa um fluxo constante de bits, os bits precisam de ser organizados em grupos (pacotes) para que erros de bit não se propaguem além das fronteiras de um único pacote. Geralmente, quanto maior o pacote, mais susceptível ele é a erros de bit. Por outro lado, agrupando os bits em pacotes cria um maior tráfego para acomodar os cabeçalhos dos pacotes. Geralmente quanto menores os pacotes, maior o tráfego. Assim, existe um tradeoff entre escolher o tamanho do pacote e sua resiliência e eficiência. Pode-se considerar portanto que formar pacotes é uma terceira função para os MPEG Systems.

Na maioria dos casos, descodificadores necessitam de Informações Específicas do Programa (PSI - Program Specific Information) para descodificar o os dados que chegam. Fornecer estas PSIs é a quarta tarefa do MPEG Systems. Um MPEG Systems deve:
Multiplexar fluxos de bits individuais num único fluxo de bits.
Prover maneiras para sincronizar os fluxos de bits que compõem um serviço de áudio e/ou vídeo.
Empacota os bits em grupos.
Provê informações específicas chamadas PSI.
Nos MPEG-2 Systems, um programa é definido como o conjunto de Fluxos Elementares significativos, como áudio e vídeo, que têm a mesma base de tempo.


O Vídeo MPEG

Um arquivo MPEG é um arquivo digital contendo vídeo e áudio digitais codificados seguindo determinados padrões de compressão e armazenados em um dado formato específico. O comitê ISO especifica separadamente o tratamento de áudio e de vídeo, permitindo streams sem áudio, por exemplo.

Um filme é uma sequência de blocos arranjados sequencialmente. Cada bloco do filme contém secções individuais para o vídeo e para o áudio. A sincronização entre o vídeo e o áudio é feita através de marcadores de tempo que são afixados durante a codificação nos identificadores de blocos.


Compressão MPEG

O padrão MPEG especifica 3 tipos de quadros comprimidos no arquivo de saída, como mostra a Figura 2. Nos quadros I (Intraframe) somente se aplicam algoritmos de redução de redundância espacial. Nos quadros P (Predicted) e B (Bidirectionally Predicted) também se aplicam algoritmos de redução de redundância temporal. No caso dos quadros B a predição de movimento é bidirecional, ou seja, é feita com quadros no passado e no futuro em relação ao quadro sendo codificado.

Os quadros apresentam diferentes taxas de compressão, sendo que os quadros B apresentam a maior taxa, seguidos dos P e dos I. Isto se deve ao fato de que nos quadros I eliminamos apenas a redundância espacial. Quanto maior a compressão maiores as perdas de qualidade sofridas nos quadros, por isso há a necessidade de intercalar quadros I de tempos em tempos para permitir a “restauração” da qualidade do sinal e também acesso aleatório aos quadros do filme.

O padrão publicado pela ISO especifica o formato final do arquivo comprimido, deixando margem para que diferentes abordagens possam ser utilizadas, com diferentes compromissos entre compressão e complexidade computacional. Além disso, também fazem parte do padrão:

Uso da Transformada Discreta do Cosseno (DCT), seguida de Quantização e Run Length Encoding [Hel96] (RLE) para redução da redundância espacial de cada quadro do filme;
Uso de Motion Estimation e Motion Compensation (MEC) preditiva e interpolativa para redução de redundância temporal entre quadros e
Uso de Codificação de Huffman [Huf52] ao final do processo, gerando a compressão efetiva.

A DCT faz uma transformação na imagem, mudando o domínio de representação da mesma. Este processo não introduz perdas de qualidade na imagem, sua utilização se dá porque ela permite uma representação mais compacta da imagem, facilitando a compressão.

Existem diferentes formas de se detectar movimento de objetos numa sequência de imagens. O padrão MPEG adota algoritmos de MEC baseados em casamento de blocos. Este algoritmo consiste na procura de um bloco de tamanho fixo (16x16 pixels no padrão MPEG) de um quadro em uma janela de busca em um quadro seguinte (ou anterior). Esta janela pode ser de tamanho variável mas o tamanho usual é de 30x30 pixels [BK97].


Windows Media Video (também conhecido pelo acrónimo WMV) é um nome genérico para um conjunto de formatos de vídeo desenvolvidos pela Microsoft, parte do Windows Media. Os arquivos WMV utilizam o formato Advanced Systems Format (ASF), também da Microsoft. Tais arquivos podem ser executados em tocadores de mídia como o MPlayer ou Windows Media Player.


QuickTime é um software multimédia desenvolvido pela Apple Computer, capaz de reproduzir vários formatos de vídeo, som, animação, música, etc. A atual versão do software é 7.1.3 para Windows e Macintosh.

Mov é um formato multimédia utilizado para armazenar sequências de vídeo pelo software QuickTime. Com o Quick Time para Windows (da Apple Computer) é possível assistir vídeos, no Windows. Em certos versões novos de determinados browsers, podemos assistir vídeos directamente na janela do browser, sem ter que fazer download do vídeo.


XviD é um software livre e codec de vídeo MPEG-4 código aberto. Foi criado por um grupo de programadores voluntários depois que o OpenDivx foi fechado em julho de 2001.
XviD é o maior competidor do DivX (XviD de trás para frente). Enquanto DivX é um código fechado e pode rodar apenas no Microsoft Windows, Mac OS X, e Linux, Xvid é código aberto e pode rodar em qualquer plataforma.


História

Em janeiro de 2001, DivXNetworks fundou o OpenDivX como uma parte do Projeto Mayo que teve a intenção de ser a o lugar de projectos multimédia de código aberto. OpenDivx criou um codec de vídeo código aberto para MPEG-4, baseado na versão do MoMuSys do encoder MPEG-4. O código fonte, entretanto, foi colocado com uma licença restrita e somente membros do Centro de Pesquisas Avançadas DivX (DARC em inglês) poderiam ter acesso aos repositódios dos códigos do projecto (CVS). No inicio de 2001, um membro da DARC chamado Sparky escreveu uma versão do encoder core chamado encore2, que foi actualizado muitas vezes depois. Em Abril, o código foi removido do repositório sem qualquer aviso.

Em Julho de 2001, desenvolvedores começaram a se queixar sobre a falta de actividade do projecto; o último CVS foi actualizado muitos meses antes, bugfixes foram ignorados, e a documentação prometida não foi escrita. Logo depois, DARC lançou a versão beta do seu codec comercial DivX 4 de código fechado, que foi baseado no encore2, dizendo que "o que a comunidade realmente quer é o Winamp, não o Linux". Muitos acusaram o DivXNetworks de começar o OpenDivX com o propósito de coleccionar ideias de muitas pessoas para usar no seu codec DivX 4, alguns ficaram desapontados ao ver que o codec estava estagnado e quiseram continuar trabalhando com ele, enquanto outros ficaram com raiva da forma que o DivXNetworks declarou o projecto como código aberto. Isso foi depois que o repositório do OpenDivX foi criado, usando a última versão do encore2 que foi baixado antes que fosse removido. Desde então, todo o código do OpenDivx foi substituído e o XviD foi publicado sobre a licença GLP.


Direitos Autorais

Acredita-se que algumas características do XviD é coberto por patentes de software em vários países (mais especificamente nos Estados Unidos e Japão). Por essa razão, a versão do XviD 0.9.x não foi licenciado em países onde esses tipos de patentes então em vigor. Entretanto, na versão 1.0.x, a licença GNU GPL v2 foi usada sem explicitar as restrições geográficas. O uso legal do XviD pode ainda estar restrito por leis locais. (Veja a lista de discussão por e-mail [1], [2], [3].)


DivX é um codec de vídeo criado pela DivXNetworks Inc.. Foi produzido para ser usado em compactação de vídeo digital, deixando os vídeos com a mesma qualidade e com alta compactação, ou seja, evitam que ocupem muito espaço no Disco rígido.
Para alcançar tal compactação é necessário muito processamento, o que pode fazer com que um computador tecnologicamente defasado não execute o vídeo com perfeição. O DivX é compatível com Windows, Linux, Solaris e Mac OS X.
Actualmente os arquivos DivX estão amplamente presentes nas redes dos programas de P2P, devido ao seu reduzido tamanho.


Como ele reduz o tamanho do vídeo

O método de compactação DIVX funciona como um MP3 para vídeo. Mas ao contrário do MP3 que apaga sons sobrepostos que nosso cérebro não conseguiria reconhecer, o DIVX tornando repetitivas as imagens que não se modificam no decorrer dos frames (quadros) que formam o vídeo.

Exemplo: Uma cena onde a câmara é estática, o fundo não se modifica. O codec DIVX grava um único frame dessa imagem e repete-o até a imagem sofrer alguma alteração. Na mesma cena, uma pessoa andando, somente os pixels em que sua imagem se sobrepõe são modificados. O resto da cena pode ser considerado, grosseiramente, como uma foto estática ao fundo do vídeo. Desta forma, são guardados pelo vídeo compactado, muito menos informação, resultando um arquivo de tamanho reduzido.


AVI é a abreviação de "Audio Video Interleave" e trata-se de um container de áudio e vídeo criado pela Microsoft cuja extensão oficial é .avi. É um dos formatos mais populares no mundo. Sendo nativamente reconhecido pela maioria das versões do Windows e por todos os players de DVD de mesa que são compatíveis com o codec DivX.


iTunes é um reprodutor de áudio (e vídeo, a partir da versão 4.8, chamado de media player), desenvolvido pela Apple Computer, para reproduzir e organizar música digital, arquivos de vídeo e para a compra de arquivos de música digital no formato gestor de direitos digitais FairPlay. A iTunes Store (anteriormente conhecida como iTunes Music Store, às vezes também referida somente como "iTMS" ou simplesmente "iTunes") é o componente do iTunes pelo qual os usuários podem comprar arquivos de música digital dentro do próprio programa.

O player vem ganhando e mantendo uma reputação por ser fácil de usar, ao mesmo tempo ainda permitindo que os usuários organizem suas músicas precisamente (com recursos como, por exemplo, smart playlist, lista de reprodução inteligente). O iTunes também é usado para carregar canções para o player portátil da Apple, o iPod. O programa é grátis e pode ser baixado da Internet, além disso, acompanha o Mac OS X e a suíte de aplicativos domésticos iLife da Apple.

O iTunes é compatível com computadores rodando os sistemas operacionais Mac OS X, Windows 2000, Windows XP e Windows Server 2003. Antigamente o Mac OS 9 também era suportado, mas isto foi cancelado após a versão 3.


Recursos

Os usuários podem organizar suas músicas em listas de reprodução (playlists), editar informações dos arquivos, gravar CDs, copiar arquivos para um player de áudio digital, comprar música na Internet através de sua loja de música acoplada, rodar um visualizador para exibir efeitos gráficos de acordo com o ritmo das canções, assim como também codificar músicas em diferentes formatos de áudio.
As listas de reprodução inteligentes, ou "smart playlists", são listas de reprodução que são automaticamente atualizadas (como em perguntas para uma base de dados) baseadas numa lista personalizada de critérios de seleção.


Histórico das versões do iTunes

o iTunes foi desenvolvido com base no SoundJam MP, um aplicativo comercial popular para reprodução de MP3 distribuído pela empresa de software Casady & Greene. A Apple comprou os direitos do programa e contratou os três programadores que o criaram. O primeiro lançamento do iTunes era muito similar ao SoundJam MP com a adição da habilidade de gravar CDs e uma maquiagem na interface. A Apple adicionou uma série de recursos nas versões subseqüentes.


Windows Media Player é um programa para tocar mídia (media player), ou seja, áudio e vídeo em computadores pessoais. Produzido pela Microsoft, está disponível gratuitamente para o Microsoft Windows. A Microsoft também produz versões gratuitas para outros sistemas operacionais incluindo Pocket PC, Mac OS e Solaris, mas estes têm uma tendência de possuir menos recursos do que a versão para Windows oferece, além de menor frequência de lançamento de novas versões e suporte a uma quantidade menor de tipos de arquivo.

O Windows Media Player substituiu um antigo programa chamado apenas de Media Player, adicionando recursos além da simples reprodução de áudio e vídeo. Estas incluem a habilidade de poder gravar músicas em um CD, sincronizar conteúdo com um player de áudio digital (MP3 player) e permitir aos usuários a compra de músicas de lojas de música online.

O Windows Media Player compete com outros programas freeware como o RealPlayer da RealNetworks, o Winamp da Nullsoft e o QuickTime e iTunes da Apple Computer.
O Windows Media Player vem acoplado ao sistema operacional Windows; apesar disso, as versões mais novas do player necessitam também de versões mais novas do sistema operacional. Alguns vêem esta prática como um eco do sucesso da Microsoft em retirar a Netscape Communications Corporation da liderança do mercado de navegadores de Internet, só que dessa vez, para reduzir a participação de seus concorrentes do mercado da mídia por streaming.

Em março de 2004, a Comissão Européia deu uma multa de €497 milhões para a Microsoft e ordenou que a empresa oferecesse uma versão do Windows sem o Windows Media Player, alegando que "a Microsoft feriu a lei da competição da União Européia por aumentar seu quase monopólio no mercado de sistemas operacionais de PC para o mercado de sistemas operacionais para servidores e media players". A Microsoft está apelando da decisão. Enquanto isso, a empresa planeja oferecer uma versão que segue a determinação da Comissão sob o nome nada atrativo de "Windows XP Reduced Media Edition (Windows XP Edição com Mídia Reduzida)" [1].


Windows Media Player 11

Alguns dos novos recursos e novidades do Windows Media Player 11:
Atalhos e transmissões: Agora a interface do software está muito mais limpa, pois os menus clássicos estão desligados por padrão, mas não se preocupe, porque os mesmos ainda estão acessíveis através de um clique com o botão direito do mouse.
Fácil acesso a opções e configurações: Através do botão direito do mouse ou da seta para baixo as atividades são revelados nas opções de menu para você escutar, ripar, organizar ou sincronizar seus conteúdos com o máximo de rapidez.

Botões de voltar e avançar: A incorporação de botões de avançar e voltar tornaram o programa mais simples e fácil de usar para você navegar por tudo sem se perder.
Controles de reprodução e status remodelados: Os novos botões de reprodução também estão mais bonitos e fáceis de usar. Agora com apenas um clique você poderá alterar o visual do programa para ver miniaturas de equalização, álbum ou status de reprodução.

URGE: Um novo serviço de aquisição de músicas e outro material multimédia que resulta de uma parceria entre a Microsoft e a MTV.
Entre muitas outras.


Winamp

Winamp é um reprodutor de mídia freeware desenvolvido pela Nullsoft, posteriormente comprado pelo conglomerado AOL Time-Warner. A primeira versão foi lançada em 1997, por Justin Frankel.

O Winamp lê ficheiros (arquivos, no Brasil) em vários formatos áudio e vídeo como MPEG, MP3, MID, MOD, WAV, VOC, OGG, AIF, WMA, entre muitos outros, adicionando plugins. Além disso, permite a criação de listas de músicas e através do equalizador criar definições personalizadas consoante (conforme) o tipo de música que estamos a ouvir ("que estamos ouvindo"). Ainda integra um pequeno navegador que permite aceder (acessar) a informação sobre a música que estamos a ouvir, ou diversos outros recursos online da Nullsoft.


Winamp 1.x e Winamp 2.xA primeira versão batizada de Winamp 1 (A primeira versão veio em Maio de 1997) foi criada para executar de forma rápida arquivos de áudio MPEG1 em suas 3 primeiras camadas, chamadas de MP1, MP2 e MP3, somente a ultima ficou popular por conter algoritmos com alto grau de compressão de áudio, o winamp foi o primeiro tocador de MP3 do mundo. Com o sucesso da 1ª versão, foi lançada a versão 2, chamada basicamente de Winamp 2, que tornou o programa popular (na mesma época que viu o sucesso do programa Napster), as seguidas revisões da segunda versão trouxeram evoluções como suporte a plugins e skins.


Winamp3

A próxima grande revisão do Winamp veio com a versão Winamp3 (apresentada com o número de versão condensado ao nome como uma maneira de incluir o termo "mp3" no nome do programa, Winamp3), lançada em 9 de agosto de 2002, se tratava de uma reconstrução completa da segunda versão e baseou-se em uma arquitetura que recebeu o nome Wasabi e oferecia maior funcionalidade e flexibilidade.

Essa maior possibilidade de recursos custou parte da leveza e simplicidade que atraiu muitos usuários ao programa, além de perder alguns recursos no processo de transição e uma incompatilidade com parte dos vários skins e plugins existentes, incluindo a criação de SHOUTcasts. Assim, muitos usuários do Winamp continuaram (ou voltaram) ao Winamp 2.

Em pouco tempo a Nullsoft voltou seus esforços para o Winamp 2, considerada por muitos como mais estável, lançando as atualizações finais nas versões 2.91 e 2.95.
Muitas pessoas indignaram-se com a empresa por não ter dado seqüência ao desenvolvimento do Winamp3, mas, alguns programadores e ex-funcionários da empresa resolveram recriá-lo, sob o nome de Wasabi.player[1], fazendo-o um tocador de mídia igual, mas com correção de bugs, novas funções e software livre.


Winamp 5.x

Com o passar do tempo foi criada a versão 5.0 do Winamp, e logo a seguir a 5.1 que 2005 era a versão mais moderna deste. Nesta versão 5.1, além de suporte a novas formas de skins, foi implementado a função de áudio multicanal (5.1 canais). Em março de 2006, foi lançado a versão 5.2.
Versão PRO
Quando foi lançada a versão 5.0 do Winamp, iniciou-se o conceito de versão PRO, que consiste em ser uma versão que tem mais funções do que a versão pública., ou seja, esta versão é geralmente paga e destinada a usuários que compram softwares, ao invés de baixá-los.


Java

Linguagem de programação criada pela empresa Sun Microsystems, especialmente adequada para desenvolver programas interativos nas páginas web. A particularidade dos programas Java reside no fato de que funcionam independentemente do sistema operativo; assim, por exemplo, podem utilizar-se em ambientes Windows, Unix ou Macintosh.









FORMATOS DE GRAVAÇÃO



Codec


CoDec é o acrônimo de Codificador/Decodificador, dispositivo de hardware ou software que codifica/decodifica sinais.


Tipos

Existem dois tipos de codecs:

• Sem perdas (lossless, em inglês)
• Com perdas (lossy, em inglês)


Codecs sem Perdas


Os codecs sem perdas são codecs que codificam som ou imagem para comprimir o arquivo sem alterar o som ou imagem original. Se o arquivo for descomprimido, o novo arquivo será idêntico ao original. Esse tipo de codec normalmente gera arquivos codificados que são entre 2 a 3 vezes menores que os arquivos originais. São muito utilizados em rádios e emissoras de televisão para manter a qualidade do som ou imagem.
Exemplos desse tipo de codec são o flac, shorten, wavpack e monkey's audio, para som.
Para imagem, HuffYUV, MSU, MJPEG,H264 e FFmpeg Video 1.


Codecs com Perdas


Os codecs com perdas são codecs que codificam som ou imagem, gerando uma certa perda de qualidade com a finalidade de alcançar maiores taxas de compressão. Essa perda de qualidade é balanceada com a taxa de compressão para que não sejam criados artefatos percebíveis.

Por exemplo, se um instrumento muito baixo toca ao mesmo tempo que outro instrumento mais alto, o primeiro é suprimido, já que dificilmente será ouvido. Nesse caso, somente um ouvido bem treinado pode identificar que o instrumento foi suprimido.
Os codecs com perdas foram criados para comprimir os arquivos de som ou imagem a taxas de compressão muito altas. Por exemplo, o Vorbis e o Mp3 são codecs para som que facilmente comprimem o arquivo de som em 10 a 12 vezes o tamanho original, sem gerar artefatos significativos.

Exemplos de codecs com perdas são o Ogg Vorbis, MP3, AC3 e WMA, para som. Para imagem, temos o Xvid, DivX, WMV7, WMV8, WMV9, Theora e Soreson.

Taxa de Bits

A taxa de bits ou bitrate, em inglês, é uma das medidas da qualidade de um arquivo comprimido com um codec com perdas. A taxa de bits representa o tamanho final desejado para o arquivo e, normalmente, é apresentada como kbits/s.
1 kbit/s significa que a cada segundo, o codec tem 1000 bits do arquivo final para utilizar, ou seja, se um arquivo de som tem 8 segundos e é comprimido a uma taxa de 1 kbit/s, o arquivo final terá 8 kbits ou 1 kbyte. Conclui-se, então, que quanto maior for a taxa de bits, melhor será a qualidade do arquivo final, já que o codec terá mais espaço para poder comprimir o arquivo original, necessitando de descartar menos "detalhes" do arquivo.

Com a popularização do MP3, a taxa de bits de 128 kbits/s (128000 bits/s = 16 kbytes/s) foi muito utilizada, já que, no início, essa era a menor taxa de bits que o MP3 poderia utilizar gerando um arquivo final com boa qualidade. Hoje em dia, com os codecs mais avançados, pode-se gerar arquivos com 64 kbits/s com qualidade semelhante aos primeiros MP3.






Formatos de gravação de áudio e de vídeo




• Os Formatos de Gravação de CDs


Existem diversos padrões para gravação de CDs e quando se compra um gravador de CD-ROM, começa-se a gravar CDs no formado de dados CD-ROM, depois pode querer produzir CD-Áudio (ou CD-DA), CD-I, CD-ROM/XA, CD Plus ou outros tipos de discos.

A maioria dos programas de gravação de CD-R do mercado oferece pelo menos, os padrões: CD-ROM, CD-DA (áudio), e formato misto (dados e áudio no mesmo disco), e todos incluem suporte a multi-sessão. Muitos programas também incluem suporte para os padrões XA, CD-I e CD Plus. Os padrões MMCD, HFS (em programas para windows), formatos definidos pelo usuário e Vídeo CD, estão disponíveis em alguns pacotes de gravação e em programas adicionais ("add-ons").

Uma breve descrição dos vários formatos suportados pelos programas de gravação de CDs pode ser encontrada abaixo:

CD-DA (Compact Disc-Digital Audio)

Padrão "Red Book" é o padrão de CDs de áudio. A maioria dos programas de gravação de CDs podem produzir discos CD-DA.

CD-ROM (Compact Disc - Read Only Memory)

Também conhecido apenas como CD, é um meio de armazenamento de dados de alta capacidade (até 650 Megabytes), ou 74 minutos de trilhas de áudio, cuja característica principal é o uso de tecnologia óptica (laser), em vez de eletromagnetismo, para leitura de dados. As especificações do CD-ROM foram definidas no padrão "Yellow Book".

CD-I (Compact Disc Interactive)

CD interativo, ou "Green Book", é um formato proprietário da Philips para ser usado em equipamentos "CD-I home players". Ferramentas de desenvolvimento especiais são requeridas para gravação de arquivos nesse formato.

CD-ROM/XA (CD-ROM Extended Architecture)

É um formato produto da união das empresas Sony, Philips e Microsoft, que permite a gravação de dados, áudio e vídeo. Permite a produção de vídeo e som sincronizados.

CD Bridge (Compact Disc - Bridge)

Um disco "bridge" combina facilidades dos padrões CD-ROM/XA e CD-I. O disco resultante pode ser tocado em um "CD-I player" ou num computador com uma drive CD-ROM/XA. É o padrão usado para Photo CD e CD de Vídeo.

Mixed-mode (Disc Mixed-mode)

Um disco "Mixed-mode" ou de formato misto, contém um trilha de dados seguida de uma ou até 98 trilhas de áudio. As trilhas de áudio podem estar ou não associadas a programas da trilha de dados.

CD Plus/Enhanced CD

Este é um novo padrão para combinar trilhas de dados e de áudio num disco. Tradicionalmente, um disco misto ("mixed-mode") contém ambas as trilhas - dados e áudio. No formato misto ("mixed-mode"), a trilha de dados é sempre a primeira trilha, e pode ser seguida de uma ou até 98 trilhas de áudio. O formato de disco anterior misto ("mixed-mode") causa problemas em muitos dispositivos de tocar CDs ("CD Players"), porque a trilha de dados pode provocar um barulho alto, podendo inclusive danificar os autofalantes do equipamento. Esta nova concepção de CDs permite que as trilhas de áudio possam ser gravadas no início do CD e a trilha de dados no fim. Os dispositivos de áudio ("CD players") não conseguem reconhecer a trilha de dados no final do CD e não tentam tocá-la. A Microsoft implementou este formato como CD+ a partir do Windows 95. Entretanto, existem outros métodos com este mesmo layout e são genericamente referenciados como "Enhanced CD".


CD+G (Compact Disc + Graphics)

Este formato é raro e vem sendo usado por alguns poucos discos de áudio. Ele permite armazenar informações gráficas em áreas não usadas dentro de sectores de um disco de áudio (6 bits por sector) ou um total de 20 megabytes por disco. Um dispositivo padrão de áudio (CD-Audio Player) ignora os dados, mas os equipamentos CD-I podem mostrá-los.


MMCD

Este padrão é proprietário da SONY e usado para criar aplicações que podem ser tocadas no equipamento "Sony MMCD player".

Multisession

Nos primórdios da tecnologia de CD-R, muitos CDs foram escritos no formato "Disc-at-once", ou seja, todos os dados numa única trilha. Isso significa que todo o conteúdo do disco foi escrito de uma fonte para um disco CD-R virgem num só tempo, num processo de gravação contínuo e ininterrupto. O disco foi então finalizado e não pode ser mais gravado ou mudado. A gravação Multi-sessão agora permite que um disco possa ser escrito em várias sessões, a tempos diferentes, até que o disco fique cheio. A cada sessão gravada, a tabela de conteúdo do CD ("table of contents or TOC") da mais recente sessão, é actualizada para incluir as novas informações e ignorar a informação gravada nas sessões anteriores, que foram trocadas ou eliminadas. Um leitor de CD-ROM multi-sessão é necessário para que o CD multi-sessão seja visto como um simples volume. Se o leitor de CD-ROM não for multi-sessão, somente a primeira sessão será vista e as demais serão ignoradas. Uma variação da multi-sessão é o multi-volume ("multivolume"), que grava dados no disco como se cada sessão fosse um disco separado e distinto. Cada volume aparece como um sub-directório no disco final.

Photo CD

Este padrão é proprietário da Kodak, e permite armazenar fotografias num CD. O formato "Photo CD" incorpora elementos do padrão "Yellow Book", "Orange Book" e CD-ROM/XA.

Hierarchical File Structure (HFS)

Um disco HFS é uma imagem de um disco rígido SCSI de Macintosh ou outro dispositivo SCSI de armazenamento de dados para Macintosh, que foi preparado com dados nesse formato. HFS é um formato de arquivos nativo de equipamentos Macintosh.

Hybrid

Segundo o padrão "Orange Book" para CDs graváveis, o formato Híbrido (hybrid) significa um disco CD gravável no qual uma ou mais sessões já estão gravadas, mas o disco não está fechado, deixando espaço para futuras gravações. Entretanto, no dia-a-dia, o termo "Híbrido" (hybrid) refere-se a um CD que contenha programas para DOS/Windows e Macintosh. Na plataforma DOS/Windows ele é visto como um CD padrão ISO 9660, no Mac o CD é visto como um disco HFS.

Video CD

Também conhecido como "White Book". O vídeo CD é uma implementação especial de um "bridge disc", combina os padrões "Green Book" e CD-ROM/XA. Foi desenhado especificamente para vídeo digital no formato MPEG-1.

Bootable CD

Nenhum software de gravação de CDs suporta directamente a especificação "El torito bootable CD". Entretanto, se o programa de gravação criar uma imagem real do disco rígido, você pode fazer essa imagem "bootable" e então gravá-la num CD-R. Alguns pacotes de gravação permitem alterar informações residentes nos primeiros 15 sectores de uma imagem ISSO 9660, ficando assim fácil, mas não automático, a criação de CDs "bootable".

User Defined

Pode gravar dados num CD da forma que desejar. Entretanto se o produto da sua criação poderá lido numa drive de CD-ROM é uma outra questão. Pode ter razões para definir um formato de CD diferentemente dos formatos descritos anteriormente.



• HDCD

O HDCD é um formato compatível com os CD-players padrão, porém são gravações com maior quantidade de informação o que garante uma melhor qualidade sonora. Grande parte dos novos títulos do catálogo Concord já está nesse formato.


• VCD


Introdução


VCD (Video Compact Disc) é um padrão que permite executar vídeos (filmes, documentários, animações, etc) em mídias de CD com qualidade equivalente ao de fitas em VHS (Video Home System). Com o crescente uso de conexões à Internet por banda larga, é cada vez mais comum a criação de VCDs a partir de vídeos baixados pela Internet ou a montagem de CDs com vídeos caseiros, especialmente pelo facto das filmadoras digitais estarem cada vez mais acessíveis. Veja a seguir, mais detalhes sobre esse padrão.


O que é VCD

VCD é a sigla para Video Compact Disc. Como já dito, trata-se de uma tecnologia que permite executar vídeos a partir de um CD, tal como se esse fosse um DVD. A principal diferença entre um VCD e o acto de simplesmente gravar um arquivo de vídeo num CD, está no facto do primeiro seguir padrões que garantem que o vídeo seja executado de forma efectiva e rode noutros dispositivos que não somente o computador, como aparelhos de DVD e consolas de video-game (desde que estes suportem essa tecnologia). É importante frisar que VCD não é o mesmo que DivX.
O uso de VCDs tem se tornado tão comum que existem softwares que permitem gravar não somente vídeos, mas também sequências de imagens (slide-show). Existem também kits que transformam o conteúdo de fitas de vídeo em VCD, como o Blaster MovieMaker, da Creative Labs. Assim, é possível guardar seus próprios vídeos (formaturas, festas de aniversário, etc) ou presentear amigos. Ainda, há o factor divertimento: é possível aplicar efeitos ou recursos especiais em VCDs, assim como acontece nos DVDs.


VCD 1.1 e 2.0

Até o momento em que este artigo era escrito, existiam dois tipos de VCD, sendo o primeiro a versão 1.1, usado a partir de 1993. Este padrão não chegou a ser muito utilizado em determinados países por somente suportar o formato NTSC (National Television Systems Committee). A resolução do VCD 1.1 é de 352x240 pixels e seu áudio permite a utilização de um canal de som estéreo ou dois canais de som mono.
O segundo tipo é o VCD 2.0, disponibilizado em 1995. Essa versão trouxe grandes avanços para o VCD: suporte ao formato PAL (Phase Alternating Line) com resolução de 352x288 pixels, suporte ao recurso Closed Caption, controle de playback, som estéreo ou com bitrates de 128 a 384 Kpbs, entre outros. O VCD 2.0 é o padrão utilizado actualmente.
O VCD (ambas as versões) geralmente usa o formato de compressão de vídeos MPEG (Motion Picture Experts Group), que permite que o vídeo tenha a mesma quantidade de minutos usáveis que o CD de música (74 ou 80 minutos, no caso de mídias de 700 MB).



Outros tipos de VCD

Existem outros tipos de VCD. Os mais comuns são mostrados a seguir:

SVCD - Super VCD: mídia de Compact Disc comum, criada especificamente para ser executada em aparelhos DVD-Player padrão NTSC, podendo também ser lida em computadores com programas adequados. Trata-se de um padrão melhorado do VCD, que oferece resolução de 480x576 pixels em PAL e 480x480 pixels em NTSC. Suporta dois canais de áudio estéreo e 4 legendas no mesmo filme. Seu único porém, é que permite executar de 35 a 50 minutos de vídeo num CD;

XVCD - eXtended VCD: é o VCD em si, com a diferença de suportar resoluções e bitrates de áudio maiores;

XSVCD - eXtended SVCD: é o XVCD que utiliza o formato MPEG2;

CVD - China Video Disc: é um SVCD, com a única diferença de ter resolução menor. Foi criado para equipamentos com poucos recursos de hardware.


Processo de criação de VCDs


A criação de VCDs não é complicada. O grande trabalho está mesmo na edição do vídeo ou, muitas vezes, na conversão deste para o formato MPEG. Mas, caso o vídeo já esteja neste formato, a criação do VCD é tão simples que dispensa explicações. Geralmente, os programas para gravação de CDs possuem recursos de gravação de CD, como o Nero Burning e o Easy CD Creator. É claro que se quiser adicionar recursos ao VCD terá que utilizar softwares próprios para este fim. Um deles é o Ulead DVD Workshops. Mas existem muitos outros, inclusive gratuitos e para vários sistemas operacionais, como o Linux.


Finalizando

O VCD é uma tecnologia que conta com alguns anos de existência, mas que demorará para "sair de cena", apesar da constante popularização do DVD. O avanço tecnológico vem permitindo que as pessoas tenham acesso cada vez mais fácil a filmadoras, especialmente as digitais. Assim, a criação de vídeos caseiros e a passagem de filmes em VHS para o formato digital são práticas cada vez mais comuns. O VCD acaba sendo uma das formas de armazenamento utilizadas, principalmente por ser de baixo custo. Prova disso é que muitos aparelhos leitores de DVD são compatíveis com VCD. Assim sendo, "vida longa ao VCD".



• DVD-Audio


DVD-A significa DVD-Audio.
DVD (união dos formatos S.D e M.M.C.D) é a sigla de "Digital Video Disc". Visto que foi idealizado originalmente para reproduzir vídeo. No entanto, alguns integrantes do consórcio sugeriram mudar seu significado para "Digital Versatile Disc".
Para não criar confusão, boa parte das companhias, restringe-se a utilizar a sigla DVD, sem, contudo especificar seu significado.

O desempenho, com amostragem a 96 kHz e 24 bits, apresenta limitações já previstas na teoria, principalmente na resposta de frequências. Não oferecendo, portanto, a qualidade excelsa que alguns lhe atribuem.
Por outro lado, na modalidade estendida, com amostragem a 192 kHz e quantização de 24 bits, o DVD-A pode ser considerado um meio de gravação respeitável (mesmo não atingindo as especificações da new-high-fidelity).

Evidentemente, os comentários acima, se referem a gravações sem compressão com perdas, conforme, previsto originalmente para o DVD-A. Pois, gravações feitas com compressão digital, com perdas, resultam em qualidade inaceitável.
Curiosamente, certas técnicas de compressão supostamente sem perdas, em algum momento, apresentarão alguma perda, devido à filosofia adoptada para seu algoritmo ou 'bugs'.
Há, entretanto, pressões, por parte da indústria que podem levar a mudanças nos padrões das gravações. A intenção de muitos empresários é compelir o uso generalizado de compressão digital com perdas, objectivando maior tempo de gravação, em detrimento da qualidade do som. Um grave problema que, em minha opinião, abalou a credibilidade do DVD-A e compromete seu futuro, como mídia de alta-fidelidade.
Ainda há um outro aspecto. Lamentavelmente, certos "estúdios", gravam as informações musicais com amostragem a 96 kHz convertendo posteriormente para 192 kHz. O resultado é um DVD-A, cujo rótulo pode trazer a inscrição "192 kHz", mas que apresenta as limitações de uma amostragem feita a apenas 96 kHz.
É oportuno esclarecer que essa prática não soluciona nenhum dos problemas de resolução e resposta de frequências. Pois, a conversão para frequências maiores ou maior número de bits, não recupera o que foi perdido durante a gravação original. Por ser literalmente impossível, mesmo com o mais sofisticado algoritmo, recuperar informações que não foram gravadas.


Os Modos de gravação de DVDs

A exemplo dos tradicionais videocassetes, os novos gravadores de DVD, que agora começam a ganhar o mercado, também oferecem diferentes modos de gravação. Iremos ver qual é a diferença entre eles.
Os principais modos de gravação incluem o SP, LP, EP e XP. Eles variam, basicamente, pelo tempo de gravação e a taxa de transferência de dados, que garante melhor ou pior qualidade de imagem.
Modo XP

O modo XP é o que permite a melhor qualidade de imagem. O tempo de gravação neste modo é de aproximadamente 1 hora e sua taxa de transferência é de 8 Mbps (megabits por segundo). Quando desejar gravar algo em alta qualidade, este é o modo indicado. Mas atenção para a duração da gravação. A menos que o seu aparelho possua disco rígido e esteja a fazer a gravação directamente nele, escolha o XP. Se estiver fazendo a gravação num DVD-R, por exemplo, faltará espaço.


Modo SP

Com taxa de transferência de 4 Mbps, o modo SP faz gravações de cerca de 2 horas (num DVD de 4.7 GB). Assim, se esse tempo for suficiente para aquilo que deseja gravar, o modo SP é o ideal. Por conta de gravar aproximadamente duas horas — tempo médio da maioria dos filmes—, o modo SP é o mais indicado para esse tipo de conteúdo. A qualidade da gravação é considerada padrão.

Modo LP

Este é o modo indicado para a gravação de longos períodos de programação. Capaz de gravar aproximadamente 4 horas de conteúdo com uma taxa de transferência de 2 Mbps, o modo LP acarreta perda da qualidade na imagem. Por isso, use-o apenas se fizer questão de todo o conteúdo num só DVD.

Modo EP

A menos que não se importe com a qualidade da imagem, evite ao máximo fazer gravações no modo EP. Ele permite gravar cerca de 6 horas de conteúdo num DVD-R, a uma taxa de transferência de 0,8 Mbps. O resultado é uma imagem para lá de inferior à obtida com os demais modos.

Modo FR

O modo de gravação FR é utilizado pela Panasonic. De acordo com o fabricante, pelo modo de gravação flexível, o aparelho ajusta a qualidade de imagem automaticamente de forma a conseguir que o melhor aproveitamento do espaço livre do disco.



• SACD (Super Audio CD)


Super Audio CD (SACD) é um disco áudio óptico apenas de leitura desenvolvido com o objectivo de disponibilizar uma maior fidelidade na reprodução de áudio digital, superando a reprodução do tradicional CD. Introduzido no mercado em 1999, foi desenvolvido pela Sony e Philips, as mesmas companhias que criaram o CD.
O SACD é um padrão desenvolvido, especialmente, para a reprodução de música, não prevê, até o momento (2002), nenhum tipo de compressão suspeitosa, conferindo-lhe maior credibilidade.
Seu sistema de conversão denominado comercialmente de 'Direct Stream Digital' (DSD), em tese, oferece algumas vantagens em relação ao PCM, utilizado no CD-DA, no DVD-A e no HDCD. Além de maior compatibilidade com as técnicas de amplificação digital, vantagem importante na estratégia comercial, frente às restrições do PCM. Possibilitando a comercialização de aparelhos de menor custo e qualidade intermediária. O lado negativo está por conta da guerra comercial com o DVD-A e suas opções de multimédia. Obrigando Sony e Philips a considerarem opções semelhantes para não perderem mercado.
Contudo, limitações técnicas, actualmente, existentes (2002), no processamento do SACD, causam distorções sérias nas frequências mais altas e ruídos. Todavia, tais inconvenientes estão sendo considerados aceitáveis por alguns.
Descrição Geral

O SACD utiliza uma tecnologia muito diferente da do CD e do DVD para codificar os dados musicais - uma modulação sigma-delta a 1 bit, conhecido como Direct Stream Digital, com uma taxa de amostragem de 2.822.400 Hz (2,82 MHz) - 64 vezes maior que a taxa de amostragem de um CD clássico, que é de 44.100 Hz (44,1 kHz) e 14,7 vezes maior que a máxima taxa de amostragem de um DVD-Audio, que vai até 192.000 Hz (192 kHz).
Os SACDs podem conter som estéreo, Surround (normalmente 5.1) ou ambos. De facto, o tão chamado surround não tem de estar no formato 5.1. O antigo sistema quadrifónico 4.0 também será possível, como se pode ver no SACD de 2001, Tubular Bells de Mike Oldfield. A designação correcta para o som surround de um SACD é "multi-canal", e normalmente tem o seu próprio logo "Multi-Ch" na capa de trás.
Há três tipos de SACDs:

• Híbrido: Inclui uma camada compatível com leitores de CDs normais, e uma camada de 4.7GB SACD, lida por leitores de SACD. Este é o género mais habitual.
• Single layer: Semelhante a um DVD-5 DVD, é um SACD de 4.7 GB só com uma camada, sem nenhuma camada de áudio CD. Este é o género usado pela Sony.
• Dual layer: Semelhante a um DVD-9 DVD, é constituído por duas camadas SACD, sem nenhuma camada de áudio CD. Este género raramente é usado.


Integração no mercado

Há uma guerra de formatos entre o Super Áudio CD e o DVD-Áudio. Outro desafio é o formato DualDisc. Neste momento o SACD tem um grande interesse por parte dos audiófilos, mas ainda tem pouca aceitação por parte do mercado de massas. Em Maio de 2005, havia aproximadamente 3.000 SACD editados, 40% dos quais são de música clássica. Contudo, alguns dos álbuns mais populares foram editados neste formato, onde se incluem a maioria dos álbuns de Peter Gabriel, Bob Dylan e The Greatfull Dead, o clássico Dark Side of the Moon (the 30th anniversary edition of 2003), dos Pink Floyd e Avalon (the 21st anniversary edition, 2003) dos Roxy Music. Os dois últimos foram editados em SACD para tirar partido das capacidades do formato Multi-Canal. Ambos foram remasterizados em 5.1 surround (deixando a mixagem estereofónica original intacta), e editados como SACDs híbridos, não para se submeterem ao seu principal rival em Multi-Canal, o DVD-Áudio, mas para incentivar os compradores a trocarem o CD pelo SACD. O seu rival, o DVD-Áudio, tem os seus própios álbuns de interesse não editados em SACD, pela mesma razão. Fazem parte destes álbuns "The Game" e "A Night at The Opera", dos Queen, "Hotel California" dos The Eagles, Rumours dos Fleetwood Mac entre outros.

Como alguns álbuns são editados apenas num formato híbrido, como a versão remasterizada dos álbuns dos "Rolling Stones", editada em 2002, muitos compradores de música estão a formar uma colecção de SACDs, apesar de não terem equipamento capaz de ler SACD e de não darem grande importância a este formato. No entanto isto dá uma vantagem de partida ao SACD em relação ao DVD-Áudio, que aumentará quando os leitores de SACD forem mais baratos. Ao mesmo tempo, compradores interessados em SACD acham-no mais atraente se também puder ser reproduzido em leitores de CDs convencionais. O DVD-Áudio, apesar de também poder ser reproduzido nos habituais leitores de DVDs, necessita sempre de um televisor para a selecção dos menus.
Uma vantagem para o DVD-Áudio é a actual falta de software e hardware para lidar com áudio DSD. A maioria dos receptores AV de som surround conseguem fazer algum processamento em áudio multi-canal, afim de melhorar a correspondência do altifalante e a acústica da sala. Contudo, actualmente isto não pode ser feito em áudio DSD sem primeiro o converter para áudio PCM como o usado no DVD-Áudio.
Contudo, há muitos mais compradores a escolher o mais conveniente e com uma qualidade de som menor, como o MP3 e formatos de alta compressão similares, do que a arranjar som de alta qualidade, como o SACD ou o DVD-Áudio. Isto deve-se ao fato de as pessoas ouvirem música fora de casa e não poderem notar as diferenças de qualidade nos equipamentos portáteis. Outra razão é o facto de as pessoas quererem fazer downloads de música: um álbum em MP3 tem cerca de 70 MB, enquanto que em SACD ou em DVD-Áudio tem 4,7 GB.

O console PlayStation 3 da Sony com data de lançamento não divulgada, provavelmente suportará a reprodução de SACD.

Leitura do disco

As lentes usadas nos leitores de CD convencionais têm uma distância de trabalho mais longa, ou distância focal, que as lentes desenhadas para os leitores de SACD. Isto significa que quando um SACD híbrido é lido num leitor de CD convencional, o feixe do laser passa a camada de alta resolução e é reflectido pela camada convencional aos habituais 1.2 mm de distância, estando a camada de alta densidade fora de focagem. Quando o disco é colocado num leitor de SACD, o laser é reflectido pela camada de alta resolução (à distância de 600µm), antes de poder alcançar a camada convencional. Do mesmo modo, se um CD convencional for colocado num leitor de SACD, o laser lerá o disco sem nenhum problema, uma vez que não há nenhuma camada de alta resolução.

DSD

No SACS, o áudio é armazenado num formato chamado Direct Stream Digital (DSD), muito diferente do convencional PCM usado pelo CD ou pelos sistemas de áudio convencionais dos computadores. O DSD é 1-bit, tem uma taxa da amostragem de 2.8224 MHz, e emprega técnicas de quantização do noiseshaping de modo a empurrar o ruído da quantização 1-bit até freqüências ultra-sónicas. Isto dá ao formato uma escala dinâmica maior e uma resposta de frequência mais larga do que o CD. Os materiais promocionais sobre SACD fornecido pela Philips e pela Sony sugerem que o sistema é capaz de uma escala dinâmica de 120 decibéis, de 20 hertz a 20 kHz e a uma frequência de resposta estendida até aos 100 kHz, embora a maioria dos leitores tenham um limite máximo de 80-90 kHz.

Devido à natureza dos conversores sigma-delta, não se pode fazer uma comparação directa da escala dinâmica e da frequência de resposta entre o DSD e o PCM. É possível fazer uma aproximação, que colocaria o DSD em alguns aspectos comparável a um formato PCM, que tem uma taxa de amostragem de 20 bits e uma frequência de amostragem de 200 kHz, fazendo efectivamente do DSD um rival do formato PCM de elevada definição, como o DVD-Audio - 24-bit a 192 kHz.

No entanto é de notar que os dois formatos continuam a diferir em termos de fidelidade nos sons de alta frequência, uma vez que o DSD, graças à sua frequência de amostragem elevada, não mostra os típicos efeitos de ringing dos filtros de reconstrução usados com o PCM. Por outro lado, no DSD, devido ao uso de fortes técnicas de noiseshaping, a escala dinâmica diminui rapidamente em frequências acima dos 20 kHz, em oposição ao PCM, onde a escala dinâmica é a mesma em todas as frequências. Contudo, devido aos limites da audição humana (cuja frequência de resposta do ouvido não ultrapassa os 20-22 kHz) ambos os formatos soam igualmente bem (alguns leitores SACD high-end empregam um filtro low-pass opcional ajustado aos 30 kHz, devido a razões da compatibilidade e de segurança, apropriado para as situações onde os amplificadores ou os altifalantes dos agudos utilizados não conseguem entregar um output sem distorção, se harmónicos acima dos 30 kHz estiverem presentes no sinal).


Comparação entre SACD, DVD-Áudio e CD

Não há evidências de os seres humanos serem sensíveis a frequências mais altas, e a maioria das pessoas com mais de 35 anos são incapazes de ouvir sons acima dos 15–16 kHz e 72 dB. No entanto parece haver um consenso entre os especialistas de Hi-Fi de que a capacidade de um sistema de áudio reproduzir sons acima dos 20 kHz não é necessária para o conteúdo musical em si mesmo. Contudo, pode ajudar com a impressão espacial e temporal, assim como para uma distorção mais baixa de sons de alta frequência, em comparação com os formatos PCM de 44,1-kHZ ou 48 kHz. De facto, ainda há alguma discussão se a modulação sigma-delta de 1-bit é melhor ou pior que o PCM para maior qualidade de áudio.

Dentro dos limites da típica capacidade auditiva humana, o formato comum de áudio digital, incluindo DC, SACD e DVD-Áudio, parece ser equivalentes para ouvintes comuns. Alguns testes independentes falharam em mostrar diferenças "distinguiveis" entre uma faixa ouvida em SACD/DVD-Áudio e a mesma faixa de áudio editada para a taxa de amostragem e escala dinâmica do CD-Áudio. Alguns SACDs híbridos mostraram mesmo ter precisamente o mesmo conteúdo na camada de SACD e na camada de CD, mostrando a falta de ética da parte de algumas editoras discográficas.

Por outro lado, é indiscutível que os filtros anti-alias e anti-image, necessários para operações lineares de sistemas digitais, produzem atraso de grupo -group delay- ou deslocamento da fase frequência-dependente. Os CDs são criticamente amostrados na frequência de Nyquist, enquanto que tanto o DSD do SACD como o PCM do DVD-Áudio são oversampled. Filtros para sistemas oversampled podem ser desenhados com dramaticamente menos group delay do que com processos de amostragem críticos, resultando numa resposta de fase significativamente mais linear. A maioria dos engenheiros de áudio concorda que este é o principal benefício oferecido pelo DSD e pelo PCM de alta resolução.

Poucos sistemas caseiros de som conseguem reproduzir com rigor sons acima dos 20 kHz, e a maioria das faixas de gravação são desenhadas por volta deste limite. A música pop moderna é tipicamente comprimida para uma pequena percentagem da escala dinâmica máxima disponível, e assim não se beneficiaria da escala dinâmica prolongada disponível no SACD ou DVD-Audio. Em comparação, os desempenhos acústicos das músicas jazz, folk, clássica e alternativa podem definitivamente beneficiar da falta de compressão da amplitude que a escala dinâmica estendida possibilita.
Cada vez mais, os sistemas de som caseiros são multicanal, e esta simples característica é a mais importante, quando consideradas as diferencas entre o CD e os novos formatos. Os CDs são estéreo, e tanto o SACD como o DVD-Áudio permitem som multicanal. Mais, o SACD pode ser compatível com os leitores de CD existentes, tal como o DVD-Áudio é compatível com leitores de DVD-Vídeo.

Argumentou-se que o SACD e o DVD-Áudio são apenas tentativas de adicionar protecção anti-cópia a álbuns, em vez de serem melhorias efectivas nas tecnologias de gravação e de audição. Contudo, nas mãos de um engenheiro de som competente, os formatos SACD e DVD-Áudio proporcionam várias características adicionais que podem criar uma experiência de audição única.

Protecção anti-cópia

O SACD tem um dispositivo anti-cópia a um nível físico, que neste momento faz deste formato um formato praticamente impossível de copiar com perfeição. Este inclui uma encriptação de 80 bit do ficheiro áudio, com uma chave codificada numa área especial do disco que só é passível de ser lida por um aparelho licenciado de SACD. O SACD não pode ser tocado num computador, nem podem ser criados SACDs, com excepção de facilidade de licença de replicação do disco. Copiar a música ainda é possível por meios analógicos (por exemplo, ligar o output de um leitor de SACD ao input de um gravador de CD), mas fazer isto dará uma cópia imperfeita uma vez que a conversão para e de analógico é perdedora.

Especula-se que talvez seja possível capturar o sinal digital após o estádio de desencriptação, mas antes do estádio de conversão de digital para analógico de um leitor de SACD, o que tornaria possível criar uma cópia perfeita de um SACD. Mais, uma vez que alguns novos leitores de SACD têm IEEE 1394 (também chamado FireWire ou i.Link) DSD outputs digitais, talvez seja possível obter os dados em bruto a partit dessa ligação. O mecanismo de protecção usado é o Digital Transmission Content Protection - DTCP (protecção de transmissão digital de conteúdos), que pode ser usado nos modos "Copiar uma vez" ou "Nunca copiar". É improvável, contudo, que as regras da licença de utilização permitam alguma coisa para além do uso do modo "Nunca copiar".


DVD-Audio vs SACD


Qual o melhor DVD-Audio ou SACD? Responder a questão, e demonstrar tecnicamente os aspectos positivos e negativos de cada formato, não é tarefa simples e foge do intuito deste texto. Ademais, há tantas variáveis, subterfúgios e técnicas (algumas suspeitas), utilizadas nos estúdios de gravação, que é praticamente impossível dizer com certeza, como irá soar um SACD ou DVD-A. Pois, o formato, por si só, não garante as características encontradas nos testes de laboratório ou possíveis na teoria.
Cada formato apresenta aspectos positivos e negativos, impossibilitando, em minha opinião, afirmar de forma incontestável, qual o melhor deles. Podemos apenas afirmar que, nenhum deles reúne todas as características ideais ou desejáveis.
O texto a seguir é apenas um resumo (grande demais para permanecer na secção F.A.Q.), de observações e, algumas conclusões. Deixando os detalhes técnicos para outra ocasião.
Primeiramente é importante destacar que ambos, os formatos, DVD-A e SACD têm potencial para superar, o CD-DA. Muito embora, na prática, isso pode não ser totalmente verdadeiro.

Comparados ao CD-DA, que tem baixa resolução, ambos os formatos são considerados de alta resolução. Mas, observe bem o que você acabou de ler: "comparados ao CD-DA", os formatos são de alta resolução, porque a resolução do CD-DA é baixa. SACD e DVD-A são de alta resolução no sentido relativo, mas não no sentido absoluto.

Em tempo: CD-DA significa compact disc - digital audio ou simplesmente compact disc ou CD.




• Alta Fidelidade / Hi-Fi

Alta fidelidade, também referida como hi-fi do inglês, é a reprodução de áudio feita por um aparelho de som com a maior fidelidade possível ao som real. Para tal, deseja-se minimizar os efeitos de ruídos e distorções. Tais equipamentos de som fazem uso da estereofonia na reprodução do áudio. Entusiastas da alta-fidelidade são chamados de audiófilos, e sistemas em que a fidelidade é o único compromisso são conhecidos pelo termo em inglês high-end.

Os aparelhos de som de alta fidelidade utilizam o conceito minimalista em que se acredita que quanto menos estágios tiver entre o som captado, gravado, reproduzido e amplificado, menos interferências ele vai ter em relação ao original e maior será a fidelidade.

Amplificadores de alta fidelidade utilizam válvulas electrónicas ou transístores de estado sólido. Tecnicamente os transístores são mais lineares, porém muitos acreditam que a suavidade da amplificação valvulada deixe a música mais emotiva, e não existe consenso entre qual tipo é melhor. Amplificadores também são encontrados em mono-blocos, isto é, amplificadores separados para cada canal para evitar interferências entre os canais.


Gravações

Apesar de alta fidelidade muitas vezes ser associada somente a um aparelho de som high-end e ambientes tratados acusticamente, geralmente não se sabe que as gravações também divergem muito em sua qualidade de gravação e tem enorme importância no resultado final. Em alta fidelidade as gravações são feitas sempre ao vivo, sem efeitos de som e são usados equipamentos especiais de captação e gravação.
Assim, os tipos de música encontrados com mais frequência na discografia audiófila são a música clássica, o jazz e o blues. Tais gravações tentam capturar exactamente a sensação de se estar ouvindo a música no ambiente ao vivo, podendo ser recriada a imagem do palco sonoro com precisão. Nestas gravações é possível identificar a localização de cada músico não só em largura no palco, mas também em profundidade, altura e até a distância em relação ao microfone usado na gravação. A ambientação é capturada em estereofonia e todas as reverberações e respostas acústicas do ambiente são fielmente capturadas, aumentando ainda mais a imersão na reprodução.
Como este tipo de gravação exige conhecimento técnico e equipamentos específicos diferentes dos usados em estúdios de gravação convencionais, existem gravadoras que se especializaram na produção de álbuns de alta fidelidade. Entre os nomes mais fortes neste segmento estão a Opus3 Records, Chesky Records e compilações feitas pelos principais vendedores de equipamentos de alta fidelidade, como B&W (Bowers & Wilkins, fabricante de caixas acústicas), McIntosh e Marantz (fabricantes de amplificadores).


Audição cega

O teste de audição cega é actualmente um procedimento padrão para quase todos os profissionais de respeito. Para propósitos comerciais, alguns poucos fabricantes de equipamentos caros de som disputam a necessidade deste teste. Também é usada uma melhoria deste teste, chamada de comparação ABX, em que dois sistemas A e B conhecidos são escolhidos aleatoriamente sem que os participantes saibam.
Sob outro ponto de vista, este tipo de teste é criticado por ser muito stressante, e por causa disso ele seja incapaz de distinguir as finas sutilezas de um equipamento de ponta, que somente a audição a longo prazo pode perceber os detalhes do som verdadeiro. A réplica é que tais pequenas diferenças são desacreditadas e são puramente auto-ilusórias e vítimas de uma expectativa da marca. Além disso, ouvintes que pagaram um alto valor pelo seu sistema tendem a ter uma tendência sub-consciente em favorecê-lo. Por isso que a maioria dos testes de audição profissionais usam métodos de audição cega.


• WAV

WAV (ou WAVE), forma curta de WAVEform audio format, é um formato de arquivo de áudio padrão da Microsoft e IBM para armazenamento de áudio em PCs.

É uma variação do método de formatação de fluxo de bits RIFF para armazenar dados em blocos (chunks) e também parecido com os formatos IFF e o AIFF usados em computadores Macintosh. Ambos WAVs e AIFFs são compatíveis com os sistemas operacionais Windows e Macintosh. É levado em conta algumas diferenças nos processadores Intel como a ordem de bytes "little-endian". O formato RIFF age como um "encapsulador"(wrapper) para vários codecs de compressão de áudio. É o principal formato usado nos sistemas Windows para áudio simples.

Apesar de um arquivo WAV poder conter áudio compactado, o formato mais comum de WAV contém áudio não-comprimido em formato de modulação de pulsos PCM (pulse-code modulation). O PCM é o formato padrão de arquivos de áudio para CDs com 44100 amostras por segundo e 16 bits por amostra. Já que o PCM usa um método de armazenamento de áudio não-comprimido (sem perda), o qual mantém todas as amostras de uma trilha de áudio, usuários profissionais podem usar o formato WAV para qualidade máxima de áudio. Áudio WAV pode ser editado e manipulado com relativa facilidade usando softwares.

WAV é o formato padrão utilizado para a gravação de Cd's de áudio, porém mascarado sob a forma "cda"(durante a gravação de um cd de áudio o próprio software de gravação faz a conversão). É compatível com todos os aparelhos de som do mercado, porém por ser um formato descomprimido (sem compressão), utiliza um espaço muito grande de armazenamento, o que pode ser resolvido convertendo o arquivo para formatos comprimidos como mp3 ou Ogg-Vorbis.

Limitações

O formato WAV é limitado a arquivos menores de 4 GiB, devido ao uso de inteiros de 32 bits para gravar o campo de tamanho no cabeçalho de arquivo (alguns programas limitam o tamanho do arquivo para 2 GiB). Apesar disto ser equivalente a aproximadamente 6.6 horas de áudio em qualidade de CD (44.1 kHz, 16-bit estéreo), em algumas situações é necessário ultrapassar esse limite. O formato W64 foi então criado para usar no Sound Forge. O seu cabeçalho de 64-bit permite gravações muito mais longas. Este formato pode ser convertido usando a biblioteca libsndfile. O formato RF64 especificado pela União Europeia de Transmissão (European Broadcasting Union) também foi criado para resolver este problema.


CDs de Áudio

CDs de áudio não usam WAV como formato de som, em vez disso usam o Red Book Áudio. O ponto em comum é que ambos tem o áudio codificado em PCM. WAV é um formato de arquivo de dados para uso no computador. Se um CD de áudio fosse codificado em um arquivo WAV e em seguida gravado num CD-R usando um CD de dados (no formato ISO), o CD não tocaria em um aparelho de som que foi projectado para tocar CDs de áudio.


• Mp3 e Vqf

São formatos de arquivos que permitem armazenar músicas em arquivos de áudio no computador, ocupando um espaço relativamente pequeno e mantendo a qualidade do som. Como são arquivos, deixam o drive de CD livre para outro uso e não apenas para ouvir música.

Mp3 é a abreviatura de MPEG 1, nível 3, também chamados de MPEG1 Layer III e Vqf de Transform-domain Weighted Interleave Vector Quantization (TwinVQ).

Em 14 de julho de 1995 pesquisadores do Instituto Fraunhofer, Alemanha, utilizaram o termo "MP3" como extensão de uma nova tecnologia de codificação de som que eles haviam criado, que compactava a gravação da música mantendo a qualidade.

Assim, essas extensões são semelhantes aos arquivos wave, mas são muito compactadas. Ou seja, todas as músicas de um CD ocuparão um número pequeno de bytes.


Wav e mp3

Wav é o formato de arquivo do CD de música.

Cada minuto de música no formato wav corresponde a aproximadamente 1 MB. A principal diferença entre um arquivo mp3 e um wav é o tamanho, pois um mp3 corresponde a cerca de 10% do arquivo wav que lhe deu origem (em geral, sem perda de qualidade).

O Mp3, é uma abreviação de MPEG Áudio Layer-3. "Layer" é o tipo de compressão utilizado na decodificação do arquivo. O Mp3 foi um dos primeiros tipos de arquivos a comprimir áudio com perda de dados de forma eficiente (cerca de 1/10 do tamanho original sem uma grande perda na qualidade).

O Mp3 é um formato de arquivo patenteado pelo grupo Fraunhofer IIS, da Alemanha. Em Setembro de 1998, esse grupo anunciou que cobraria royalties (uma espécie de pagamento de licença de uso) de todas as empresas que usassem a tecnologia MP3 em hardwares e softwares, principalmente do encoder, que é responsável pela geração de arquivos no formato.

Vantagens do formato mp3

- menor tempo para codificação
- suporta equalização
- atualmente há mais músicas disponíveis na Internet


Vantagens do formato vqf

- Um arquivo vqf é cerca de 35% menor que um arquivo mp3 com a mesma qualidade de som, o que implica em menor tempo de download e menor espaço no HD.
- O vqf suporta streaming, ou seja, pode-se ouvir a música em tempo real, possibilitando que se escute uma música inteira sem interferência.
- Segundo os inventores do vqf, a qualidade de áudio é superior à do mp3.



• Mp4


Mp4 refere-se especificamente a MPEG-4 Part 14. Um padrão de container de áudio e vídeo que é parte da especificação MPEG-4. A extensão oficial do nome do arquivo é .mp4, por isso é comum vermos o formato ser chamado assim.

É similar ao popular AVI, mas traz algumas vantagens:

Suporte nativo a legendas embutidas (AVI também pode ter, mas só através de hacks como o usado no DivX6);

Melhor suporte ao padrão de codificação de vídeo H.264, também conhecido como MPEG4 AVC. Estando codificado, um arquivo MP4 pode ter sido criado com diversos tipos de codec diferentes, incluindo DivX e XviD. Porém como DivX e XviD são relativamente bem atendidos pelo arquivo codificado AVI (que é muito mais popular), é mais comum você encontrar um MP4 que seja constituído por streams criados por codecs incomuns.

MP4 é o codec escolhido pelo popular programa Nero Recode. Todo arquivo criado pelo Recode é um MP4. MP4 foi também o codec escolhido pela Apple para ser usado na 5a geração do iPod. Também chamado de iPod Video. A diferença entre os dois e que no ipod o teclado tem sensor para trocar de musica, ou aumentar o volume e o Mp4 não.


Tocadores de MP4

Hoje, é muito comum encontrarmos no comércio aparelhos com tela LCD sendo chamados de "tocadores de MP4", sugerindo que sejam compatíveis com esse codec. Mas a maioria desses aparelhos é chamada assim simplesmente porque é capaz de reproduzir vídeo e para diferenciá-lo dos "tocadores de MP3", que só reproduzem áudio. Na realidade, quase todos esses aparelhos são incompatíveis com MP4, mesmo quando a palavra "mp4" está presente. O usuário é obrigado a processar seus filmes com um programa especial que os converte para o formato AMV ou outro formato similar de baixa resolução.
Devido à similaridade nos nomes, alguém pode ser levado a pensar que MP4 trata-se de uma evolução do já popular MP3, mas na verdade tratam-se de tecnologias distintas. MP3 é um codec de áudio, enquanto MP4 é um container de áudio e container de vídeo. Estando codificado, um MP4 pode inclusive conter um MP3.




• MPEG


O MPEG (de Moving Picture Experts Group) é um formato de compressão de áudio e vídeo mantido pela International Organization for Standardization. O formato de música digital MP3 é baseado em uma das especificações do MPEG. O formato é muito popular para a troca de vídeos na Internet. Como o avi, pode ser reproduzido por quase qualquer player, contanto que o codec usado em sua geração esteja instalado.

“O segundo trabalho do Moving Picture Experts Group Site do Moving Pictures Express Group, popularmente conhecido como MPEG-2, foi desenvolvido para lidar com imagens de alta resolução e áudio multicanal. O Direct Broadcast Satellite (DBS) foi certamente uma de suas maiores aplicações alvo.

Em Julho de 1990 numa reunião da MPEG em Porto, Portugal, nós começamos a desenvolver o padrão MPEG-2. Foi nesta reunião que eu conheci Don Mead, que estava representando a Hughes Eletronics. Hughes tinha começado um programa chamado Sky Cable (mais tarde nomeado DIRECTV) e havia emitido um Request for Information (RFI) para a industria solicitando informações sobre os requerimentos do DBS. Por causa da relevância técnica do RFI, foi acordado que este documento deveria ser inserido como um documento MPEG oficial para a reunião de Porto para que os membros da MPEG pudessem levar em conta que durante os três anos de esforços intensos para se desenvolver o MPEG-2, o Dr. Mead estava intimamente envolvido. Ele fez contribuições significativas em aspectos de gerenciamento do programa. Ele estava em perfeito acordo comigo sobre a necessidade de se certificar que o padrão ficasse no caminho certo para cumprir suas obrigações agendadas, particularmente nos subgrupos de requerimentos e sistemas.”


Histórico

Na década de 80 ficou aparente que a imagem estava tendendo para a tecnologia digital. Também era claro que se padrões internacionais não fossem desenvolvidos para a imagem digital, haveria uma "Torre de Babel" de diferentes padrões que porventura se proliferariam; assim, em 1988 ISO esquematizou o MPEG (Moving Picture Experts Group), para desenvolver padrões para o vídeo digital. Foram definidos três itens a serem desenvolvidos:

1. Vídeo e áudio associados a uma taxa de 1.5 Mbps (mais tarde chamado de MPEG;

2. Imagens em movimento e áudio associados a uma taxa de 10 Mbps (mais tarde chamado de MPEG-2);

3. Imagens em movimento e áudio associados a uma taxa de 60 Mbps (mais tarde reduzido para 40 Mbps e então cancelado).

MPEG 1 era orientado como imagem digital armazenada em Mídia de armazenagem digital (DSM - Digital Storage Media). MPEG-2 foi orientado como broadcast. MPEG-3 para televisão de alta-definição (HDTV). Enquanto os padrões se desenvolviam ficou claro que as técnicas empregadas nos padrões poderiam ser usados em qualquer bitrate (quantidade de bits necessários para codificar um segundo de informação, seja esta vídeo, áudio ou ambos). Assim o título dos it que incluiam a taxa de transmissão, foram alterados para MPEG-1 e MPEG-2 e ficou claro que MPEG-2 poderia satisfazer as necessidades do HDTV, assim, o MPEG-3 foi descartado.


O papel do MPEG Systems

O vídeo, áudio, ou qualquer outra informação para um serviço codificado em MPEG deve ser multiplexado num único fluxo de bits. Essa é a principal tarefa do MPEG-2 Sistems. Quando o multiplexador está recebendo um fluxo de bits de vídeo e áudio comprimidos, como eles devem ser multiplexados para que o decodificador possa obtê-los sincronizados? Uma outra tarefa do Sistema é fornecer meios para tal sincronização.

Apesar de que um fluxo MPEG representa um fluxo constante de bits, os bits precisam ser organizados em grupos (pacotes) para que erros de bit não se propaguem além das fronteiras de um único pacote. Geralmente, quanto maior o pacote, mais suscetível ele é a erros de bit. Por outro lado, agrupando os bits em pacotes cria um maior tráfego para acomodar os cabeçalhos dos pacotes. Geralmente quanto menores os pacotes, maior o tráfego. Assim, existe um tradeoff entre escolher o tamanho do pacote e sua resiliência e eficiência. Pode-se considerar portanto que formar pacotes é uma terceira função para os MPEG Systems.

Na maioria dos casos, decodificadores necessitam de Informações Específicas do Programa (PSI - Program Specific Information) para decodificar o os dados que chegam. Fornecer estas PSIs é a quarta tarefa do MPEG Systems. Um MPEG Systems deve:

1. Multiplexar fluxos de bits individuais num único fluxo de bits.
2. Prover maneiras para sincronizar os fluxos de bits que compôem um serviço de áudio e/ou vídeo.
3. Empacota os bits em grupos.
4. Provê informações específicas chamadas PSI.

Nos MPEG-2 Systems, um programa é definido como o conjunto de Fluxos Elementares significativos, como áudio e vídeo, que têm a mesma base de tempo.
O Vídeo MPEG

Um arquivo MPEG é um arquivo digital contendo vídeo e áudio digitais codificados seguindo determinados padrões de compressão e armazenados em um dado formato específico. O comitê ISO especifica separadamente o tratamento de áudio e de vídeo, permitindo streams sem áudio, por exemplo.

Um filme é uma sequência de blocos arranjados sequencialmente. Cada bloco do filme contém secções individuais para o vídeo e para o áudio. A sincronização entre o vídeo e o áudio é feita através de marcadores de tempo que são afixados durante a codificação nos identificadores de blocos.


Compressão MPEG

O padrão MPEG especifica 3 tipos de quadros comprimidos no arquivo de saída, como mostra a Figura 2. Nos quadros I (Intraframe) somente se aplicam algoritmos de redução de redundância espacial. Nos quadros P (Predicted) e B (Bidirectionally Predicted) também se aplicam algoritmos de redução de redundância temporal. No caso dos quadros B a predição de movimento é bidirecional, ou seja, é feita com quadros no passado e no futuro em relação ao quadro sendo codificado.

Os quadros apresentam diferentes taxas de compressão, sendo que os quadros B apresentam a maior taxa, seguidos dos P e dos I. Isto se deve ao fato de que nos quadros I eliminamos apenas a redundância espacial. Quanto maior a compressão maiores as perdas de qualidade sofridas nos quadros, por isso há a necessidade de intercalar quadros I de tempos em tempos para permitir a “restauração” da qualidade do sinal e também acesso aleatório aos quadros do filme.

O padrão publicado pela ISO especifica o formato final do arquivo comprimido, deixando margem para que diferentes abordagens possam ser utilizadas, com diferentes compromissos entre compressão e complexidade computacional. Além disso, também fazem parte do padrão:

• Uso da Transformada Discreta do Cosseno (DCT), seguida de Quantização e Run Length Encoding [Hel96] (RLE) para redução da redundância espacial de cada quadro do filme;

• Uso de Motion Estimation e Motion Compensation (MEC) preditiva e interpolativa para redução de redundância temporal entre quadros e
• Uso de Codificação de Huffman [Huf52] ao final do processo, gerando a compressão efectiva.

A DCT faz uma transformação na imagem, mudando o domínio de representação da mesma. Este processo não introduz perdas de qualidade na imagem, sua utilização se dá porque ela permite uma representação mais compacta da imagem, facilitando a compressão.

Existem diferentes formas de se detectar movimento de objectos numa sequência de imagens. O padrão MPEG adopta algoritmos de MEC baseados em casamento de blocos. Este algoritmo consiste na procura de um bloco de tamanho fixo (16x16 pixels no padrão MPEG) de um quadro em uma janela de busca em um quadro seguinte (ou anterior). Esta janela pode ser de tamanho variável mas o tamanho usual é de 30x30 pixels [BK97].


Os sistemas MPEG-1, MPEG-2, MPEG-4 e MPEG-7

MPEG-1

Foi aprovado em 1992, possui três camadas com capacidade e complexidade crescentes.
Formato de alta compressão e qualidade que vai de baixa à mediana. São arquivos mais leves, ideais para serem publicados na Internet. É o padrão utilizado no sistema de um VCD.
Opera com até 1,5 Mb/s e suporta áudio mono e estéreo, mas não áudio multicanal.
Opera com taxas de amostragem de 32kHz/s - 44,1 kHz/s e 48 kHz/s.
Resolução: de 160x112 (internet discada) à 352x240px (VCD).
Bitrate de vídeo: de 256 (internet discada) a 1150 Kbps (VCD) (MPEG Layer-1).
Bitrate de áudio: de 64 a 192Kbps (MPEG Layer-2).

MPEG-2

Aprovado em 1994, também possui três camadas, as quais são extensões compatíveis com aquelas do MPEG-1.
Formato de alta compressão e alta qualidade. São arquivos de peso médio, utilizados na geração de vídeos para DVD. Necessitam decodificadores (codecs) mais específicos para serem lidos, que hoje já são facilmente encontrados nos principais players.
Resolução: 720x480px.
Bitrate de vídeo: de 2400Kbps (SVCD) à 6000Kbps (DVD) (MPEG Layer-2).
Bitrate de áudio: 224Kbps (MPEG Layer-2).
Suporta o áudio multicanal com até 5 canais para surround e mais um canal para subwoofer. Opera também com as taxas de 16 kHz/s - 22,05 kHz/s e 24 kHz/s.

MPEG-2 AAC

Suporta uma gama maior de frequências de amostragem (8 kHz a 96
kHz) e até 48 canais de áudio, mais 15 canais auxiliares de
enriquecimento das baixas frequências.

MPEG-4

Significa MPEG versão 4 e foi criado pelo Moving Picture Experts Group. É um novo formato de compressão de vídeo que, como o DivX®, permite armazenar em CDs ou DVDs arquivos de filmes, shows e vídeos digitais com qualidade de DVD Vídeo e assistir tranquilamente no D-680 de forma fácil e prática.
Aprovado em 1998, o MPEG-4 pretende ser um padrão para futuros sistemas de multimédia.

Pode tratar com sinais de voz em sistemas com baixas taxas de bits até com sistemas para áudio de excelente qualidade.
Suporta vários sistemas de armazenagem e transmissão e em redes e comunicações móveis sem fio.

MPEG-7

Define estruturas para busca, filtragem e gerenciamento de dados multimédia.


Comparações MPEG

MPEG-1

 Aprovado em Novembro de 1991
 Qualidade de VHS
 Habilitado para Vídeo CD
 Habilitado para CD-ROM

MPEG-2

 Aprovado em Novembro de 1994
 Qualidade de DVD
 Habilitado para TV Digital set-top boxes
 Habilitado para Digital Versatile Disk (DVD)

MPEG-4

 Aprovado em Novembro de 1998
 Qualidade em evolução
 Baseado no formato de arquivo QuickTime
 Envio escalonável — de telefones celulares a televisões via satélite



• AAC


Advanced Audio Coding (AAC), também conhecido como MPEG-2 Part 7 ou MPEG-4 Part 3, é um formato de áudio, que recorre a compressão com perda de dados. Foi popularizado pela Apple Computer através de seus produtos iPod e iTunes Music Store.
O AAC foi projectado como um codec de desempenho melhor em relação ao MP3, sendo promovido como seu sucessor para codificação de áudio em taxas de bits médias a altas.

Utilizando os formatos AAC ou MP3, poderá armazenar mais de 100 canções no espaço de um único CD. O iTunes também suporta o formato Apple Lossless, que lhe proporciona áudio com a qualidade de CD em metade do espaço de armazenamento.

Melhoras do AAC em relação ao MP3

Alguns de seus avanços:

• Taxas de amostragem de 8 kHz a 96 kHz (no MP3: 16 kHz a 48 kHz)
• Até 48 canais
• Melhor manuseio de frequências acima de 16 kHz
• Joint stereo mais flexível

a2b

É um sistema da AT&T’s para distribuição de música suportando criptografia e protecção de copyright. É baseado no AAC.



• RIFF
Resource Interchange File Format (Formato do recurso)

A execução de Microsoft é sabida na maior parte com os formatos como AVI, ANI e WAV, usam o meta-formato de RIFF como sua base.

O formato do intercâmbio do recurso (RIFF) é um meta-formato genérico para armazenar dados em pedaços etiquetados. Foi introduzido em 1991 por Microsoft e IBM, e apresentado por Microsoft como o formato do defeito para Windows 3.1 dos multimédia. É baseado no formato do intercâmbio das artes electrónicas, introduzido em 1985, na única diferença que é que os inteiros de multi-byte estão no formato pequeno-endian, nativo à série do processador 80x86 usada em PCs de IBM, melhor que no nativo grande-endian do formato à série do processador 68k usada nos computadores de Apple Macintosh, onde o IFF eram pesadamente - usado. (A especificação para o AIFF, o analogue grande-endian de RIFF, foi publicada pelo computador de Apple em 1988.)

Controvérsias

Na linha de sua política de usar o RIFF para todas as linhas dos “multimédia” de Windows, Microsoft introduziu um variante novo no formato existente da linha de MIDI usado armazenando a informação da canção a ser jogada em instrumentos musicais electrónicos. O formato “novo” da linha de MIDI de Microsoft consistiu em um padrão de MIDI incluída num RIFF “envoltório”, e teve a extensão RMI. Isto causou alguma virada naquele tempo, desde que fez exame de um quando para que o software existente da música seja actualizado para usar o formato novo, e não aceitou que a criação de um formato novo esteve justificada neste caso. Quando tratar dos vídeo grandes, expandir ou contrair o pedaço do INFO podem resultar na inteira (que pôde ser diversos gigabyes no tamanho) que tem que ser reescrita, que é um processo disco-intensivo.



• IFF

O formato do intercâmbio (IFF), é um formato genérico introduzido originalmente pela companhia electrónica das artes em 1985 (na cooperação com o Commodore) a fim de facilitar transferência dos dados entre os produtos de software produzidos por companhias diferentes. O formato IFF não têm nenhuma extensão comum. A maioria do formato com extensão de iff estão nos formatos do facto ILBM, nomeadas errada assim porque são a maioria do formato IFF comum arquivam e a maioria supõem que são o único tipo de formatos do IFF (em muitos sistemas que produzem formatos IFF, as extensões do formato não são importantes).


Lista do formato IFF

8SVX (formato áudio)
ACBM (BitMap contíguo de Amiga - formato da imagem para o carregamento/saving muito rápidos)
AIFF (formato áudio)
ANBM (formato (obsoleto) do animation, interally um jogo de ILBMs a ser um-após-outro indicado)
ANIM (formato do Animation)
BIFF8 (usado anteriormente pelo Microsoft Excel)
DjVu (formato da imagem para originais compostos de alta resolução)
DR2D EMOD (formato do módulo de QuadraComposer)
FNTR (pia batismal da quadriculação)
FNTV (pia batismal do vector)
FPBM (retrato flexível do mapa do amortecedor da precisão do LightWave)
FTXT (formato de texto)
GSCR (apocryphal (?) Contagem geral da música)
IFRS (sabido como Blorb)
IFZS (sabido como o Quetzal)
ILBM (formato da imagem da quadriculação)
LWOB (versão 1 do formato do objecto do LightWave 3d)
LWO2 (versão 3 do formato do objecto do LightWave 3d)
LWSC (formato da cena do LightWave 3d)
PDEF (definição Deluxe da página da cópia)
PICS (retrato de QuickDraw do Macintosh encapsulado no formato do IFF)
PLBM (formato (obsoleto) do retrato)
SHRI SMUS (formato da música, similares simples ao formato de MIDI)
TDDD (imaginar o formato do objecto 3d)
USCR (contagem sadia da música de Uhuru)
UVOX (voz sadia de Uhuru)
VDEO (vídeo ajustado da construção vídeo Deluxe)
YAFA (formato do Animation)


Os variantes do formato IFF

RIFF é um variante do formato do IFF planejado por Microsoft e IBM; O formato RIFF difere do formato IFF que têm as letras RIFF no começo e usam inteiros pequenos-endian. O formato WAV, por exemplo, são RIFFs. Uma versão grande-endian, RIFX, também foi definida mas não encontrou nenhum uso significativo.

O formato AVI são baseadas também RIFF

O formato tiff foi projectado por Aldus incluir bitmaps da elevado-profundidade com PostScript. Tem a chunked a estrutura similar ao IFF, porém o formato próprio da imagem não tem nenhum relacionamento ao formato de ILBM.
O formato padrão de MIDI faz exame dos conceitos chaves do IFF sem realmente usar o padrão do IFF.
O PNG faz exame do conceito dos pedaços do IFF, mas não copía a estrutura exacta.
3D formato da cena 3Dstudio (3Ds). Usa um número do pedaço 2byte em vez de um nome do pedaço 4byte.


• AIFF

O Audio Interchange File Format é o formato de áudio utilizado pelo sistema operativo da Apple, o Mac OS. A extensão destes ficheiros pode ser aiff ou aif. Arquivos em waveform são armazenados em um formato monoaural de 8 bits (mono ou um canal), que não é compactado e pode resultar em arquivos maiores.

É um padrão áudio usado armazenando dados sadios para computadores pessoais e outros dispositivos áudio electrónicos. O formato foi co-desenvolvido pelo computador de Apple em 1988, é usado o mais geralmente nos sistemas computatorizados do Apple Macintosh. O AIFF é usado também por Silicone Gráfico incorporado. Há uma variante comprimido do AIFF sabido como AIFF-C ou AIFC, com vários codecs definidos da compressão. O AIFF padrão é um formato principal (junto com SDII e WAV) usado pelo profissional-nível áudio e as aplicações vídeo, como ao contrário do formato do lossy MP3, non-é comprimido (que ajuda a fluir rápido de limas áudio múltiplas do disco à aplicação), e lossless. Como todo o non-comprimido, formato lossless, usa muito mais espaço de disco do que MP3 - sobre 10MB para um minuto do áudio estereofónico. Além aos dados áudio, o AIFF pode incluir dados do ponto do laço e a nota musical de uma amostra, a ser utilizado por samplers da ferragem e por aplicações musicais. Os formatos comprimidos AIFF-C tradicionais são da qualidade pobre e foram usados somente quando necessários em aplicações dos multimédia. Com o desenvolvimento do MP3 com mais alta qualidade, e os formatos áudio comprimidos relacionados, seu uso tornou-se essencialmente inexistente. A extensão para o formato padrão do AIFF é aiff ou aif. Para os variantes comprimidos é supostos para ser aifc, mas aiff ou aif são aceitados também pelas aplicações áudio que suportam o formato.


AIFF (Apple/SGI)

• criado pela Apple para armazenamento de alta qualidade de instrumentos e som.
• a extensão AIFC ou AIFF-C suporta compressão.
• AIFF, AIFC and WAVE são similares mas oferecem diferentes graus de liberdade na codificação.



• PCM

PCM (Pulse Code Modulation) é o largamente usado para transmissão, armazenagem e como base de outros formatos como o formato Wave, CD de áudio, fitas DAT e AIFF.
Associados ao formato PCM temos o DPCM e o ADPCM, que usam preditores e quantizam o erro de predição ao invés do sinal de áudio.

O ADPCM foi usado para reduzir a taxa de símbolos de um canal de telefonia digital, gerando um
padrão com 32Kb/s. Em algumas circunstâncias, o PCM usa as leis A ou µ de quantização: níveis com distribuição não-uniforme, de forma a reduzir o erro de quantização para as pequenas amplitudes,com
prejuízo para as grandes amplitudes.




• Ogg Vorbis


Introdução


Ouvir música no computador (ou em dispositivos digitais móveis) é algo que se tornou rotineiro para muita gente. Em grande parte, o responsável por isso é formato de áudio MP3, que de tão popular, já é executado em leitores de DVD, aparelhos de som e até em telefones celulares. No entanto, o formato MP3 é patenteado e isso foi o suficiente para que tecnologias alternativas fossem exploradas. É aí que entra o Ogg Vorbis, um padrão para música digital que está se tornando cada vez mais conhecido. Neste artigo, você conhecerá detalhes desse formato.


O que é Ogg Vorbis

Popularmente conhecido como Ogg, o Ogg Vorbis é um formato de compressão de áudio de código aberto, disponibilizado sob a licença do BSD, que permite seu uso mesmo em programas comerciais, livre do pagamento de royalties.

Ogg Vorbis é um padrão para áudio digital desenvolvido pela Xiph.Org Foundation totalmente open source (isto é, possui código aberto) e livre de patentes. Os arquivos nesse formato, cuja extensão é ogg, costumam ser um pouco menores e com qualidade igual ou superior aos arquivos em MP3. No entanto, o maior atractivo do Ogg Vorbis é o fato de se tratar de um padrão livre, ou seja, todos podem usá-lo livremente. Ao ler isso, você pode afirmar que o mesmo ocorre com o MP3. Na verdade, não. O formato MP3 é patenteado e pertence ao grupo Fraunhofer IIS, da Alemanha. Em Setembro de 1998, esse grupo anunciou que cobraria royalties (uma espécie de pagamento de licença de uso) de todas as empresas que usassem a tecnologia MP3 em hardwares e softwares, principalmente do encoder, que é responsável pela geração de arquivos no formato. Ainda, empresas que vendem MP3 pela Internet teriam que pagar uma pequena percentagem por música vendida. É por essa razão que a Red Hat não disponibiliza codecs e decoders de MP3 em suas distribuições Linux.

Diante da possibilidade de haver cobranças ainda maiores pelo uso do formato MP3, muitos grupos passaram a procurar uma alternativa. Não demorou muito para que o formato Ogg fosse referenciado, afinal, ele já existia (foi criado em 1993), só não era muito conhecido.

Ogg é o nome dado ao formato de arquivos de áudio criado pela Xiph.org. É esta parte que contém as informações de metadados, áudio e até vídeo. Já Vorbis, é o nome dado à técnica de compressão de áudio que é empregado no arquivo Ogg. Assim, pelos menos teoricamente, é possível usar o Ogg com outro formato de compressão ou usar o Vorbis em outro formato de arquivo. Agora, fica óbvio que Ogg Vorbis é a junção das tecnologias Ogg e Vorbis. Essa "parceria" ocorreu em 1998, após o anúncio da Fraunhofer.

Tecnicamente, o formato Ogg Vorbis consegue gerar arquivos até 25% menores que equivalentes em MP3. Na geração de arquivos, é possível definir o nível de qualidade, que é medido em valores de -1 a 10, com mudanças feitas de 0,1 em 0,1. Deixando a compressão no nível 3, é possível gerar áudio equivalente a um arquivo em MP3 com 160 Kbits de bit rate (taxa de gravação por segundo), o que garante uma óptima qualidade sonora (imagine então músicas geradas no nível 10!).O formato ainda suporta até 255 canais de áudio independentes.

Assim como o MP3, o formato Ogg Vorbis também trabalha com o esquema de tags (tagging), que permite a inserção de informações adicionais ao arquivo de áudio, como nome do cantor ou da banda, nome do disco ao qual pertence, ano de lançamento, etc.

Uma das pessoas que está por trás do Ogg Vorbis é Crhistopher Montgomery, que no início do projecto era estudante de computação do MIT (Massachusetts Institute of Technology). No entanto, por ser um projecto de código aberto, o formato Ogg Vorbis conta com uma série de desenvolvedores actualmente.

Talvez, a única desvantagem do Ogg Vorbis em relação ao MP3 é o fato de sua compressão ser quase duas vezes mais lenta. No entanto, isso não é tão relevante, mesmo porque é uma questão que pode ser resolvida futuramente.

Softwares para Ogg Vorbis

À medida em que o Ogg Vorbis se torna conhecido, desenvolvedores de software estão adicionando compatibilidade com o formato, seja para execução, seja para compressão. Devido a isso, já existem aplicativos com suporte a Ogg Vorbis em vários sistemas operacionais.

No Windows, players como o Quintessential, Winamp e Sonique são compatíveis. Para geração de músicas nesse formato, pode-se usar programas como Audacity, Audiograbber e Freerip.

Usuários de Linux contam com softwares como XMMS, Noatun e Zinf para execução de áudio em Ogg vorbis. Para geração, existem softwares como o RipperX e o crip.
Pode-se obter uma lista mais detalhada de softwares compatíveis com Ogg Vorbis no site oficial: www.vorbis.com. É importante lembrar que alguns programas não possuem suporte directo para Ogg Vorbis, mas é possível adicionar esse recurso através de plugins.

O Ogg Vorbis também está sendo trabalhado para lidar com streaming, isto é, transmissão de áudio e de vídeo pela Internet. Quando isso já for uma realidade, certamente os programas mais conhecidos serão compatíveis.

Finalizando

O padrão Ogg Vorbis está longe de ser tão popular quanto o MP3, mas não tanto. Cada vez mais conhecido e melhorado, o formato já é compatível com uma série de softwares e até mesmo com alguns dispositivos de som. Além de ter uma qualidade sonora que pode superar o MP3, o Ogg Vorbis também gera arquivos um pouco menores que os formatos concorrentes (como o MP3 e WMA). O InfoWester espera que o Ogg Vorbis tenha tanto sucesso quanto o Firefox. Assim, será mais uma prova de que soluções em software livre possuem óptimo nível de qualidade.



• ISO 9660

O ISO 9660 é a norma internacional de armazenamento de dados que faz a descrição da estrutura de arquivos e directórios de um CD-ROM.
Os Administradores de máquinas Linux costumam normalmente montar o cdrom no directório /mnt/cdrom. Após a montagem, o conteúdo pode ser acessado normalmente como qualquer outro arquivo. O sistema de arquivos a ser montado não necessita estar fisicamente no mesmo dispositivo de armazenamento de do seu ponto de montagem como é o caso, por exemplo, dos CDROMs.



• OGM

OGM é a sigla para Ogg Media File, é um formato container, ou contentor. Ele foi desenvolvido por Tobias Waldvogel e pode fazer várias coisas que o formato AVI mais comum não pode. Elas incluem:

• suporte a capítulos;
• múltiplas trilhas para subtítulos;
• suporte a múltiplas trilhas de vários formatos (MP3, AC3, Vorbis, WAV);
• suporte a audio do Vorbis. Sabe-se que o formato AVI pode ser usado para isso, mas não há modo "oficial" de fazê-lo, o que significa que qualquer tentativa pode ser um hack, ou "gambiarra", incompatível e pouco confiável.




• WMA

O formato WMA ou Windows Media Áudio é um formato produzido pela Microsoft, que tem grande compatibilidade com o Windows Media Player, altamente comprimido, permite um óptimo som com baixas taxas de compressão para que o download de arquivos seja feito na metade do tempo e ocupe a metade do espaço. O sistema de compressão WMA traz a vantagem de arquivos de tamanhos muito menores para que você possa colocar mais música no seu CD (aproximadamente 20 horas contínuas) com alta qualidade de áudio.
Entretanto, pode ser reproduzido pelo Winamp e outros Media Players, com excepção do iTunes, que oferece serviço de codificação de WMA ao MP3. Oferece qualidade de áudio similar ao MP3, porém pode haver limitação em relação a licenciatura. Vale ressaltar que este formato, assim como o MP3 , é um formato lossy, ou seja, ocorre a remoção de certas frequências e harmónicos / informações em geral contidas no fluxo de áudio original durante a compressão neste formato.



• AVI

AVI (Audio Video Interleave) é um formato de arquivo multimédia para armazenamento de som e imagens em movimento no formato RIFF (Microsoft Resource Interchange File Format). É um dos formatos mais populares em função do conteúdo de áudio ou vídeo ser compactado por uma ampla variedade de codecs (codec: uma forma abreviada para compactação/descompactação. O software ou hardware usado para compactar e descompactar mídia digital.) que podem ser armazenados em um arquivo avi.
Formato básico, que preserva a alta qualidade da digitalização do vídeo utilizando o máximo de memória. São arquivos pesados, porém, ideais para edições profissionais. A compressão DV que utilizamos é a mais compatível com nossos equipamentos e softwares. É o único formato que mantém fixa a taxa de 29,97 quadros/segundo (framerate).

Resolução: 720x480px.

Bitrate de vídeo: Máxima (DV Encoder), neste caso, apesar da compactação DV, a bitrate se adequa para preservar a taxa framerate em 29,97 quadros/segundo, e então varia de acordo com a complexidade visual do vídeo (paleta de cores, movimentos, etc.), ficando próxima de 33Mbps.
Bitrate de áudio: Máxima (PCM Audio).



• ASF

O ASF (Advanced Systems Format) é o formato de ficheiro utilizado pelo Windows Media. O conteúdo de áudio e/ou vídeo comprimido com uma grande variedade de codecs pode ser armazenado num ficheiro ASF e reproduzido com o Windows Media Player (desde que tenham sido instalados os codecs apropriados), transmitido em sequência com o Windows Media Services ou acondicionado opcionalmente com o Windows Media Rights Manager. ASF é um formato de ficheiro extensível, concebido para armazenar dados multimédia sincronizados. Suporta a entrega de dados numa vasta gama de redes e protocolos, sendo também adequado para reprodução local. O ASF suporta capacidades de multimédia avançadas, que incluem tipos de multimédia extensíveis, transferência de componentes, tipos de multimédia escalonável, prioridade de sequência especificada pelo autor, suporte para vários idiomas e capacidades bibliográficas alargadas, incluindo gestão de documentos e de conteúdos.

Os programadores de software Windows são encorajados a utilizar os SDKs de Windows Media disponíveis, que incluem suporte para a criação e leitura de conteúdos de Windows Media, incluindo ficheiros ASF.
O fabricantes de hardware e os programadores de software podem querer também licenciar os componentes do formato Windows Media que permitem activar o suporte para ASF e codecs do Windows Media em qualquer plataforma de ambiente de trabalho ou em qualquer dispositivo.



• FLAC

FLAC (acrônimo de Free Lossless Audio Codec, que significa Codec de Áudio Sem Perda Livre) é um codec de compressão de áudio sem perda de informação. Ao contrário de codecs com perda tais como o MP3 e o Vorbis, ele não remove nenhuma informação do fluxo de áudio, mantendo a qualidade do som.
Josh Coalson é o autor original do FLAC. Em 29 de Janeiro de 2003, Xiphophorus (agora conhecida como fundação Xiph.Org) anunciou a incorporação do FLAC sob sua bandeira juntamente com Vorbis, Ogg, Theora, Speex, e outros.


O Projecto


O projecto FLAC se compõe de:

• o formato de stream.
• um container de formato para o stream, também chamado de FLAC (ou FLAC Nativo).
• libFLAC, uma biblioteca de referência de codificadores e decodificadores, e uma interface de metadados.
• libFLAC++, um object wrapper para a libFLAC.
• flac, um wrapper em linha de comando para utilizar a libFLAC para codificar e decodificar streams em FLAC.
• metaflac, um editor de metadados em linha de comando para arquivos .flac e para a aplicação de Replay Gain.
• plugins de entrada para vários tocadores de áudio (Winamp, XMMS, foobar2000, musikCube, e muitos mais).
• Com a incorporação à Xiph.org, o container de formato Ogg, adaptável à streaming (também chamado de Ogg FLAC).

"Livre" significa que a especificação do formato de stream pode ser implementada por qualquer pessoa, sem necessidade de autorização expressa (a Xiph.org se reserva o direito de definir a especificação do FLAC e certificar a conformidade aos mesmos), e nem o formato FLAC, nem nenhum método implementado para codificá-lo/decodificá-lo são cobertos por patentes. Isso também significa que a implementação referencial é software livre e os códigos-fonte da libFLAC e da libFLAC++ são disponíveis sob a Licensa BSD da Xiph.org, e os códigos-fonte do flac, metaflac, e também os plugins estão disponíveis sob a GPL.

Em suas metas, o projecto FLAC encoraja seus desenvolvedores a não implementar nenhum tipo de prevenção de cópia.
Comparações

O FLAC foi criado para um empacotamento eficiente de dados de áudio, diferente de algoritmos gerais de compressão sem perda, como ZIP e gzip. Enquanto um ZIP pode compactar um arquivo de áudio com qualidade de CD em 10% ou 20%, com FLAC pode-se alcançar taxas de compressão de 30% a 50%.

Codecs com perda de dados podem alcançar taxas de 80% ou mais, descartando dados do stream original. O FLAC utiliza predição linear para converter amostras do áudio em uma série de pequenos números não correlatos (o residual), que são armazenados eficientemente com o uso do algorítmo Golomb-Rice. Ele também utiliza codificação de run-length para blocos de amostras idênticas, como passagens silenciosas. As vantagens técnicas do FLAC comparado a outros codecs sem perda residem na sua habilidade de streaming e em um rápido tempo de decodificação, que independe do nível de compressão.

Como qualquer outro codec sem perdas, o formato FLAC é popular entre proprietários de CDs e outras mídias que desejam preservar suas colecções de áudio. Se a mídia original foi perdida ou danificada, uma cópia em FLAC garante que uma duplicata exata do original pode ser recuperada a qualquer instante. Uma restauração exacta feita a partir de um arquivos com perda (ex., MP3) dos mesmos dados é impossível. Um arquivo CUE pode opcionalmante ser criado ao copiar-se um CD. Se o CD foi lido e copiado perfeitamente em arquivos FLAC, o arquivo CUE permite posteriormente a gravação de um CD de áudio idêntico ao original, incluindo ordem das faixas, pregaps, e CD-Text. Entretanto, dados adicionais presentes nalguns CDs, como letras e gráficos de CD+G estão além do escopo de um arquivo CUE e da maioria dos softwares de cópia de CDs, portanto, esses dados não serão armazenados.

A Hydrogenaudio Wiki possui uma comparação de codecs sem perda, incluindo FLAC.
Exemplos

Para a melhor compressão, porém mais longo tempo de codificação, este comando pode ser utilizado:

flac --lax -mep -b 8192 -l 32 -r 0,16 input.wav -o output.flac
O arquivo resultante pode não ser reprodutível em players de hardware ou ser passível de straming, mas ele irá funcionar em todos os decodificadores de software. Para um arquivo totalmente em conformidade, este comando deverá ser utilizado:
flac -mep -b 8192 -l 32 -r 0,8 input.wav -o output.flac


Detalhes técnicos

O FLAC suporta apenas amostras de ponto fixo, não de ponto flutuante. Isso ocorre para eliminar quaisquer erros de arredondamento para que se garanta uma reprodução perfeita em nível de bit. Ele pode trabalhar com qualquer resolução de bits PCM de 4 a 32 bits por amostra, qualquer taxa de amostragem de 1 Hz a 1,048,570 Hz em incrementos de 1 Hz, e qualquer número de canais de 1 a 8. Os canais podem ser agrupados em casos como estéreo e surround de 5.1 canais para aproveitar as vantagens de correlações entre os canais para aumentar a compressão. Ele utiliza checksums CRC para identificar frames corrompidos quando usados em um protocolo de streaming, e também tem um hash MD5 completo do áudio PCM puro armazenado em seu cabeçalho de metadados STREAMINFO.

O formato FLAC é implementado como o codificador/decodificador interno da libFLAC, com o principal programa distributível, flac, sendo o programa de referência da utilização da API libFLAC. A API do codec também está disponível em C++ como libFLAC++.
A implementação referencial do FLAC é compilável em várias plataformas, incluindo a maioria dos sistemas operacionais Unix e Unix-like (incluindo Linux, BSD, Solaris, e Mac OS X), Windows, BeOS, e OS/2. Há build systems para autoconf/automake, MSVC, Watcom C, e Project Builder.



Organização da API

A API libFLAC está organizada em streams, seekable streams e arquivos, na ordem crescente de abstracção a partir do bitstream base do FLAC. Muitops aplicativos FLAC geralmente se restringirão a codificar/decodificar usando a libFLAC no nível de interface de arquivo.
Codificador

Um codificador FLAC é criado com os seguintes passos

1. Criar uma instância do codificador usando FLAC__file_encoder_new()
2. Definir vários parâmetros deste codificador, como SamplingRate (taxa de amostragem), BitsPerSample (bits por amostra), NumberofChannels {número de canais), ordem LPC, estéreo Mid-side, distância de busca do parâmetro Rice, min. e máx. residual, BlockSize (tamanho de bloco), output FileName (nome de arquivo)(se não há arquivo de saída, usar codificador de stream). A função chama por cada um destes
3. Inicializar o codificador FLAC usando FLAC__file_encoder_init()
4. Codificar as amostras puras usando FLAC__file_encoder_process() ou FLAC__file_encoder_process_interleaver() para cada amostra lida a partir da entrada (tanto ADC como Arquivo).
5. Ao encerrar o processo de codificação, chamar FLAC__file_encoder_finish(), após isto você poderá tanto destruir o codificador como refazer os passos para outro arquivo, seguindo-os novamente.




• Monkey's Áudio


Monkey's Audio é um codec de compressão de áudio gratuito. É caracterizado por ser do tipo "lossless", isto é, não tem nenhuma perda em relação à fonte original do áudio. Sua taxa de compressão é de aproximadamente 50% em relação a um arquivo WAV. Seus arquivos tem extensão do tipo ".ape" e são muito populares na Internet para comprimir imagens de CD acompanhadas de arquivos CUE. Seu principal concorrente é o também gratuito e open-source FLAC.




• Real Media (RM)

Este formato é específico para ser publicado no nosso servidor Cameraweb, pois permite seu acesso de acordo com a largura de banda da conexão do usuário e através de “streaming”, ou seja, é possível assistir enquanto se carrega o vídeo. Apesar deste formato ser bastante flexível em relação à sua qualidade, trabalhamos com qualidade média-baixa. Os arquivos, em geral, são leves e necessitam do Real Player para serem executados.

Resolução: 360x240px.
Bitrate de vídeo: 350 Kbps com máximo de 280 Kbps em stream.
Bitrate de áudio: 64 Kbps.



• DTS

O formato DTS, sigla para Digital Theatre System , foi desenvolvido para se explorar melhor os sistemas de Home-Theatre e seus múltiplos canais sonoros, distribuindo pelo ambiente os efeitos sonoros, o que traz maior realismo sonoro, principalmente em filmes. A gravadora Telarc tem uma série de CDs nesse formato, visando apresentar as músicas Erudita, Blues e Jazz de forma mais envolvente.



• WMV

WMV (Windows Media Vídeo) é um formato de arquivo compacta áudio e vídeo por meio do codec (codec: uma forma abreviada para compactação / descompactação. O software ou hardware usado para compactar e descompactar mídia digital.) Windows Media Vídeo, um formato de compressão avançada que requer uma quantidade mínima de espaço de armazenamento no disco rígido do seu computador.



• SWF

SWF é o formato de arquivo gerado pelo Adobe Flash (antigamente pelo Macromedia Flash) para animações multimédia ou aplicações.



• AU

O AU (UNIX Áudio) é um formato de arquivo é geralmente utilizado para a criação de arquivos de som para os computadores UNIX ou para a Web.
Arquivos AU são um formato de som do UNIX e eles terminam com a extensão ".au". Por exemplo, um som AU chamado "ding" resulta no arquivo "DING.AU", quando faz o download para o seu computador.


• MIDI


O significado da palavra MIDI é Musical Instrument Digital Interface. Inicialmente foi criado para se criar uma interface entre instrumentos musicais e computadores. Hoje em dia podemos associar a um formato de arquivo, com extensão MID, onde são bem compactados, com tamanho consideravelmente inferior a outros formatos de músicas. MIDI não possui nenhum áudio, é uma partitura electrónica. Os principais dispositivos são: sintetizadores, samplers e outros. Sua reprodução se dá através de MIDI Player, sendo praticamente genérico, funciona praticamente directo da Placa de Som do PC. Na Internet, os arquivos MIDI podem ser baixados com reprodução automática de som. As limitações desses arquivos são relacionadas ao vocal da música, podem ser reproduzidos apenas para músicas instrumentais. Os comandos em um arquivo MIDI precisam ser interpretados pelo hardware e software que possam traduzir estes comandos em áudio. A analogia com a partitura, então, se torna válida. Quando pensarmos em MIDI, pensamos em uma partitura electrónica.

Como confeccionar midis?

A elaboração de midis é feita através de instrumentos sintetizadores e programas de edição de áudio. Em ambos os casos a noções de música e/ou informática se faz necessário. Podemos encontrar com facilidade Hardwares e softwares que podem criar músicas no formato MIDI. Através do sequenciador, gera MIDIS com o auxílio dos samplers. Pode gravar e editar comandos MIDI. Outra forma é através de instrumentos musicais acoplados ao computador, com o auxílio de um bom software para a edição das gravações. Para que o arquivo finalizado seja introduzido e disponibilizado para Internet, ele deve ser criado a partir de dois métodos: composição de MIDI ou marcação de MIDI. Usando um software de composição, a música pode ser digitada manualmente, uma nota por vez. Embora seja feita em um computador, isto não é fundamentalmente diferente do método que os compositores têm usado por séculos. Depois de completada, o compositor digita um comando para salvar a composição como arquivo MIDI. O software pode também imprimir a partitura ou salvar a composição em outros formatos.



Qual a diferença entre arquivos MID, WAV e MP3?


Arquivos MID são bem diferentes de arquivos WAV ou MP3. O que há de comum entre eles é o áudio digitalizado, ou seja, por intermédio de determinado processo consegue-se armazenar som na forma digital. Os sons que um processo em MID pode gerar estão limitados ao sintetizador da placa de som. Cada placa de som tem um sintetizador diferente. Assim, a qualidade na reprodução de um arquivo MID depende directamente da qualidade do sintetizador da placa de som instalada no computador. Ao compararmos a qualidade dos sons gerados pelos arquivos MID, WAV ou MP3, verificamos que o som em MID é pobre em relação aos outros formatos. Mas dependendo de quem sintetizou em MID e a placa de som utilizada no computador, o som gerado pode ser extremamente agradável. Um outro aspecto é que no processo MID pode criar a música que sua imaginação permitir, instrumento por instrumento, canal por canal, enquanto que arquivos WAV e MP3 são apenas meios de armazenagem de uma música já existente, sem que se possa alterar uma nota sequer. Agora um dado importantíssimo: se tem o conceito de que o som dos MIDs é algo bem primitivo, o problema pode estar na má qualidade da sua placa.




• M4a

M4a é a extensão para arquivos usando o padrão de áudio mpeg-4. Normalmente a extensão para qualquer arquivo mpeg-4 seria "mp4", o qual também é descrito no padrão mpeg-4. A extensão m4a foi tornada popular pela Apple, que iniciou usando a extensão "m4a" em seu software iTunes e nos tocadores portáteis iPod como maneira de distinguir entre arquivos de vídeo e áudio no padrão "mpeg-4". Actualmente a maioria dos reprodutores de mídia que suportam áudio "mpeg-4", também suportam a extensão "m4a". Os tipos de arquivo mais comuns usando a extensão "m4a" são aquele usando o formato de áudio "AAC" (Advanced Audio Coding), mas outros formatos como "Apple Lossless" e mesmo "mp3" pode ser adicionados em um container "m4a". Caso queira, normalmente pode simplesmente renomear a extensão do arquivo "mp4" (desde que só contenha áudio) para "m4a", e vice-versa, para reproduzir em seu tocador de mídia favorito.




Formatos de gravação de imagem




• AI

AI (Adobe Illustrator Document) é um formato vectorial do Adobe Illustrator. As primeiras verões suportavam apenas imagens vectoriais. É uma variante do Postscript tal como os formatos PDF, EPS e PS.



• ART

ART é um formato proprietário do software cliente da America Online. Trata-se de uma única imagem gravada num ficheiro, gravada da Internet, em que o programa escolhe o melhor método de compressão.



• BMP

BMP (Windows bitmap) é o formato gráfico nativo do Windows da Microsoft. É capaz de armazenar cores em até 24 bits, e muito popular em ambiente PC: alguns programas como o Paint aceitam somente este formato. Devido à popularidade do Windows, muitos programas, inclusive em Macintosh, suportam o formato BMP.
O tratamento de imagens deste tipo requer ferramentas especializadas, geralmente utilizadas em fotografia, pois envolvem cálculos muito complexos, como interpolação, álgebra matricial, etc.

Um bitmap pode ser preto-e-branco ou colorido. Há um padrão chamado RGB, do inglês Red, Green, Blue, que utiliza três números inteiros para representar cada uma das cores primárias, vermelho, verde e azul.

Necessidade de compactação

A cada ponto da imagem exibida na tela ou papel corresponde um pixel deste grade, de forma que a maioria das imagens requer um número muito grande de pixels para ser representada completamente. Por exemplo, uma imagem comum de 800 pixels de largura por 600 de altura necessita de 3 bytes para representar cada pixel (um para cada cor primária RGB) e mais 54 bytes de cabeçalho. Isso totaliza 1.440.054 bytes. Embora a representação de imagens na memória RAM seja feita geralmente em bitmaps, quando se fala em um grande número de imagens armazenada em discos magnéticos e transmissão de dados via redes surge a necessidade de compressão desses arquivos, para reduzir o espaço ocupado e o tempo de transmissão.

A compactação de dados pode ser com perda ou sem perda. Os principais formatos adoptados para a compressão de dados na Internet são o Compuserve GIF, o JPG, ou JPEG, e o mais actual e livre o PNG.



• CGM

CGM (Computer Graphics Metafile) é definido pelo padrão ISO 8632. Normalmente usado para desenhos complexos de engenharia, por exemplo, na aviação.


• CPT

CPT (Corel Photo-Paint Image) é um formato padrão do Corel Photo-Paint. Poucos programas suportam este formato.


• DPX

DPX (Digital Picture eXchange file format) é um padrão ANSI/SMPTE (268M-2004) semelhante ao Cineon mas com cabeçalhos (headers) mais flexíveis e variáveis. Normalmente é usado para filmes, em que um digitalizador de película cinematográfica fornece saída neste formato ou uma máquina de filmar. Este ficheiro não armazena o som.



• DWG

DWG é um arquivo nativo do AutoCAD. AutoCAD DWG, Ficheiros de texto no padrão ASCII utilizados para armazenar dados de programas CAD.



• EPS

EPS (Encapsulated Postscript) foi desenvolvido pela Adobe, o Postscript é uma linguagem de descrição de páginas. Ao invés de definir píxeis, o Postscript é composto por um conjunto de comandos que são interpretados por um dispositivo de saída (impressoras, por exemplo). Ele pode ser usado para armazenar gráficos (i.e., vectores), imagens raster (bitmap) ou ambos. Por não conter uma representação directa de píxeis, um arquivo EPS não pode ser lido por programas de manipulação de imagens (embora possa ser lido por programas de editoração), mas apenas criado por eles para gerar saídas. O Postscript é capaz de manipular texto e desenhos de maneira eficiente e com qualidade superior ao bitmap, mas não é capaz de armazenar imagens fotográficas, de modo que elas devem ser representadas como bitmaps.

Internamente, o Postscript é formado por comandos que são texto, ou seja, um arquivo EPS contém apenas texto ordinário, cujo significado só pode ser compreendido correctamente por um hardware munido de um interpretador de Postscript. Comandos Postscript podem ser gravados num arquivo, que então é denominado arquivo EPS (diz-se que o Postscript foi encapsulado dentro de um arquivo).

Ao contrário de outros formatos, um arquivo Postscript só pode ser impresso numa impressora capaz de interpretá-lo. Por outro lado, devido à sua popularidade, ele é muito usado para saídas (impressoras, gravadores de filmes, plotters) e por programas de editoração (Page Maker, Quark, etc).



• FH

FH (Macromedia Freehand Document) é um formato nativo do Macromedia Freehand.



• FLA

FLA (Flash Source File) é um formato nativo do Macromedia Flash.



• GIF

É um formato rápido; muito pouco processamento é utilizado, para que um arquivo GIF seja exibido. Em compensação, está limitado a 256 cores. É um formato de imagem que guarda as informações sem perda. Pode ser carregado em um editor gráfico, gravado em disco, recarregado e regravado quantas vezes quisermos. Use o GIF para ilustrações, mapas e line-arts, como imagens do CorelDraw.
O formato GIF é um formato de arquivo comprimido com o uso de um algorítimo chamado LZW, que valendo-se de manipulação e tratamento das cores, reduz o tamanho do arquivo.
O formato GIF tem a grande vantagem de ser largamente suportado e adotado como formato default (padrão) para representações gráficas simples na Web. Comparado com outros formatos (em particular PNG), GIF não se mostra tecnicamente superior, mas durante os primeiros anos da Web quando o suporte para PNG estava em seu início e em crescimento, esta era sem dúvida a melhor escolha e provavelmente ainda é à época que essa dica foi escrita, acredito contudo que não será mais, muito em breve.
O algoritimo LZW para compressão do formato GIF esteve protegido nos EUA, por patente pertencente a Unisys. A patente para a Unisys expirou nos EUA em 20 de Junho de 2003. Patentes LZW expiraram no Canadá, França, Itália, Alemanha, Reino Unido, e Japão.



• JPEG

Formato de arquivo gráfico de varredura destinado à exibição de elementos gráficos de alta resolução na World Wide Web. Os elementos gráficos JPEG aplicam-se a um esquema de compactação especificado pelo usuário, que pode reduzir significativamente o tamanho dos arquivos de elementos gráficos coloridos foto-realísticos. Um nível mais alto de compactação resulta em pior qualidade, enquanto um nível mais baixo de compactação resulta em melhor qualidade.
A extensão JPEG, de "Joint Photographic Experts Group", utiliza uma forma de compressão que pode ser configurada em diferentes níveis, que vão de 10 a 100. No nível 100, a imagem obtida do arquivo JPG é idêntica ao original. Nos outros níveis, a imagem é ligeiramente prejudicada, embora ainda seja muito semelhante.

Esse formato é especialmente útil para armazenar fotografias, ou desenhos com muitos detalhes, pois as altas taxas de compressão tornam as imagens pequenas.

Entretanto, não se pode esquecer que quanto maior a qualidade da imagem maior será o tamanho do arquivo.

Uma grande imagem, no formato bmp, se for comprimida em JPEG ou TIFF, pode vir a ocupar pouco espaço, muitas vezes sem perda perceptível de qualidade e com muito menor tempo para começar a exibir a imagem. O tamanho reduzido de fotos em JPG tornou-as preferidas em sites.

As imagens em JPG são, por natureza, de 24 bits e usam algoritmos de compressão que reduzem significativamente o tamanho físico de um arquivo. Isso significa que a cor é a mais fiel possível, em relação ao original. Entretanto, o formato JPEG alcança taxas altas de compressão descartando partes da imagem que passariam despercebidas ao olho humano. Assim, cada vez que um arquivo JPEG é aberto em um editor gráfico, mais dados são perdidos. Esse formato é especialmente útil para armazenar fotografias.


• JPG2

JPEG 2000 é um sucessor do JPEG, permitindo compressão com perda de dados (lossy) e sem (lossless). O suporte deste formato em programas ainda é pequeno.



• MNG

MNG (Multiple-image Network Graphics) é um formato de animação que usa datastreams semelhantes àqueles de PNG e JPEG, originalmente designado para substituir o uso de GIF animado na web. Livre da patente associada ao GIF animado.



• PBM

PBM (Portable Bitmap Format) é um simples formato gráfico em preto de branco. Diferente da maioria de formatos de arquivos gráficos, um arquivo PBM é texto integral e pode ser processado por ferramentas de processamento de texto. É relacionado aos formatos de arquivo gráfico PGM (tons de cinza) e PPM (colorido).



• PCD

PCD (Kodak Photo CD) foi criado pela Kodak, este é o formato onde são gravados arquivos criados numa estação de tratamento desenvolvida pela Kodak chamada Photo Imaging Workstation (PIW). Usando um scanner CCD, são capturadas imagens com 36 bits (12 bits por cor). As imagens são gravadas nume CD usando uma estrutura especial, ou seja, ele não obedece a formatação de discos MAC ou PC. Mesmo assim, os principais programas gráficos são actualmente capazes de lê-lo, usando um leitor de discos CD ordinário.

Existem dois tipos de scanners Photo CD: o padrão e o Pro PhotoCD. O primeiro gera uma imagem de 2048 x 3072 píxeis. A Kodak alega que esta resolução é suficiente para ampliar um filme 35mm numa cópia fotográfica de 40 x 50 cm, com uma qualidade equivalente à uma ampliação ótica. O sistema do Pro Photo CD usa um outro tipo de scanner, que gera imagens de 4096 x 6144 píxeis. Embora o formato de arquivos seja o mesmo para os tipos de Photo CD, existe uma mídia (um CD) diferente para cada tipo, ou seja, não se pode guardar um scan Pro num Photo CD "normal" (o contrário é possível). Nas duas resoluções, é possível scanear filmes nos formatos 35 mm, 120, 220 e 4x5.

Usando uma técnica de compressão sem perda e muito eficiente, uma mídia Photo CD (600 Mb) pode armazenar até 100 imagens do tipo padrão ou 25 do tipo Pro.



• PCX

PCX (Zsoft file Format) é um dos formatos raster mais antigos, criado para o programa Paintbrush da Microsoft, ainda no tempo do DOS. A versão actual suporta cores em 24 bits, embora antigas versões suporte apenas 256 cores. O PCX é aceito por muitos programas de imagem.



• PDF

PDF (Portable Document Format) é um formato de arquivo desenvolvido pela Adobe Systems para representar documentos de maneira independente do aplicativo, hardware, e sistema operacional usados para criá-los. Um arquivo PDF pode descrever documentos que contenham texto, gráficos e imagens num formato independente de dispositivo e resolução.
O PDF é um padrão aberto, e qualquer pessoa pode escrever aplicativos que leiam ou escrevam PDFs. Há aplicativos gratuitos para Linux, Windows e Macintosh, alguns deles distribuídos pela própria Adobe.



• PGM

PGM (Portable Graymap Format) é um simples formato em tons de cinza. Diferente da maioria de formatos de arquivos gráficos, um arquivo PGM é texto integral e pode ser processado por ferramentas de processamento de texto. É relacionado aos formatos de arquivo gráfico PBM (preto e branco) e PPM (colorido).


• PICT

PICT (PCT) é o formato gráfico nativo do Macintosh, e permite armazenar imagens raster e vetoriais ao mesmo tempo. Suporta true color e tem um método de compressão considerado muito eficiente. O PICT não mantém o mesmo grau de integridade de cores do TIFF, o que é um grande handcap.



• PNG

PNG (Portable Network Graphics) é um formato de arquivo para armazenamento de imagens rastreáveis, extensível para perdas de qualidade, portátil e bem comprimidas. Formato de arquivo semelhante ao formato GIF, usado para elementos gráficos de bitmap compactados. O PNG oferece suporte para a transparência variável de imagens (canais alfa) e controla o brilho das imagens em computadores distintos (correcção de gama).
PNG fornece uma opção patente livre para GIF e pode também substituir muitos usos, comuns ao formato TIFF. Suporte para true-color, tons de cinza e um canal alpha opcional (de 1 a 16 bits).

Para a Web, PNG apresenta três grandes vantagens sobre GIF:

• canal alpha (transparência),
• correção gamma cross-platform (controle de brilho) e correções de cor
• interlace bi-dimensional (display progressivo na tela).
PNG na maioria dos casos, também comprime melhor que GIF (5% a 25% em geral).



• PPM

PPM (Portable Pixmap Format) é um simples formato em tons de cinza. Diferente da maioria de formatos de arquivos gráficos, um arquivo PPM é texto integral e pode ser processado por ferramentas de processamento de texto. É relacionado aos formatos de arquivo gráfico PBM (preto e branco) and PGM (tons de cinza).


• PSD

PSD (Photoshop Document) é um formato padrão da Adobe para documentos do Photoshop. Possui muitos recursos extras como image layering. Suportado por muito poucos programas fora o Adobe Photoshop.


• SVG

SVG (Scalable Vector Graphics) é um formato baseado no XML, definido pelo World Wide Web Consortium para ser utilizado em navegadores.



• SWF

SWF (Flash) é um formato nativo e não editável do Macromedia Flash, normalmente criado a partir do formato editável ".fla". Este formato armazena animações para serem visualizadas normalmente em páginas da Internet, e pode ser criado em outros programas que o suportem.


• TGA

TGA (TARGA) criado para as placas gráficas Targa, permite armazenar imagens RGB em 32 bits. É geralmente usado para misturar imagens gráficas e vídeo, e para aplicações multimédia.


• TIFF

TIFF (Tagged Image File Format) é um formato de arquivos que praticamente todos os programas de imagem aceitam. Formato de arquivo baseado em marca e de alta resolução normalmente usado para digitalizar, armazenar e trocar imagens gráficas em escala de tons.
Foi desenvolvido em 1986 pela Aldus e pela Microsoft numa tentativa de criar um padrão para imagens geradas por equipamentos digital. O TIFF é capaz de armazenar imagens true color (24 ou 32 bits) e é um formato muito popular para transporte de imagens do desktop para bureaus, para saídas de scanners e separação de cores.

O TIFF permite que imagens sejam comprimidas usando o método LZW e permite salvar campos informativos (caption) dentro do arquivo. No Photoshop, use o comando File Info do menu File para preencher tais campos informativos.
Compressões com e sem perdas de informação disponíveis (LZW, ZIP e JPEG) assim como outras opções, apesar de muitos programas não suportarem essas opções para além do padrão TIFF.

WMF (Windows Metafile) é um formato nativo do Microsoft Windows para armazenar imagens.

Fonte: http://queridosantos.blogspot.com.br/2007/04/tipos-de-ficheiros.html